Mercado abrirá em 7 h 21 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,46
    +0,89 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.775,70
    -5,90 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    56.650,14
    -583,43 (-1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.437,14
    -31,94 (-2,17%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.714,00
    +55,08 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    27.875,06
    -60,56 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    15.949,00
    +79,25 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4517
    +0,0049 (+0,08%)
     

Servidores públicos brasileiros somam 16 mil dados vazados no 3º trimestre

·2 min de leitura

Os vazamentos de dados de brasileiros e da população mundial se mantém como um severo problema de segurança. Segundo um levantamento da Axur, cerca de 16 mil credenciais de funcionários de órgãos públicos federais, estaduais e municipais do Brasil foram expostas na internet no terceiro trimestre de 2021.

O levantamento, divulgado pelo UOL Tilt, engloba dados do período de julho a setembro de 2021 e constatou que, ao todo, o país teve 2,03 milhões de dados expostos. Todas as detecções são referentes a exposições tanto na rede comum quanto na deep e na dark web.

Apesar da quantidade assustadora a primeira vista, o número representa uma queda de 99,56% em comparação ao segundo trimestre de 2021, que contou com o vazamento de 465,5 milhões de registros de pessoas do Brasil.

Já em relação às credenciais governamentais, foram detectados 16 mil vazamentos, uma queda de 95,97% em relação ao segundo trimestre, que contou com quase 160,5 mil senhas e logins expostos. O relatório não informe quais órgãos públicos foram afetados pelos dados vazados.

Por fim, em relação a credenciais de funcionários de empresas privadas, foram detectadas o vazamento de 148 mil credenciais, uma queda de 70% em comparação aos números registrados no segundo trimestre.

CPF e cartões de créditos são os principais alvos

<em>O CPF lidera como principal alvo dos criminosos digitais. (Imagem:Divulgação/gov.br)</em>
O CPF lidera como principal alvo dos criminosos digitais. (Imagem:Divulgação/gov.br)

Segundo o levantamento da Axur, os CPFS são o alvo preferido dos criminosos virtuais, totalizando 57%, ou seja, 1,15 milhão das detecções de dados vazados. Em seguida, estão os endereços de e-mail, com 968 mil casos, CNPJs, com 480 mil ocorrências e, por fim, documentos com foto, com 6.985 ocorrências.

Quanto aos cartões de créditos e débitos, o relatório conseguiu identificar o vazamento de 1.354.822 no mundo todo, com cerca de 94% desse montante estando na data de validade, ou seja, podendo ser usado para transações, quando a Axur os identificou.

O Brasil ficou em primeiro no ranking mundial de vazamentos de cartões de crédito e débito no terceiro trimestre, com o país sendo responsável por 22,1% de todas as divulgações ilegais destes dados, o que correspondeu a um total de 299 mil.

Confira os cinco países que mais tiveram cartões roubados no terceiro trimestre de 2021:

  • Brasil: 22,1%/299 mil;

  • Índia: 16,9%/230 mil;

  • Estados Unidos: 11,1%/149 mil;

  • México: 7%/94 mil;

  • Austrália: 6,2%/83 mil;

  • África do Sul: 5,1%/69 mil;

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos