Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.590,36
    +2.211,44 (+2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.845,87
    +578,67 (+1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,83
    +1,77 (+4,11%)
     
  • OURO

    1.803,60
    -34,20 (-1,86%)
     
  • BTC-USD

    19.004,94
    +552,98 (+3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    377,99
    +8,24 (+2,23%)
     
  • S&P500

    3.636,29
    +58,70 (+1,64%)
     
  • DOW JONES

    30.050,76
    +459,49 (+1,55%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.072,25
    +167,00 (+1,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3900
    -0,0503 (-0,78%)
     

Servidores criticam estudo da CNI que diz que Brasil gasta muito com funcionalismo

THAIS CARRANÇA
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O estudo da CNI (Confederação Nacional da Indústria) que apontou nesta semana que o Brasil é o sétimo país que mais gasta com funcionalismo como proporção do PIB (Produto Interno Bruto) contém incongruências metodológicas e equívocos, avalia o Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado). A CNI rebate as críticas e diz que usou dados de organismos internacionais respeitados. O Fonacate reúne 34 entidades sindicais das chamadas carreiras típicas de estado, que incluem atividades como policiais civis, militares, federais e rodoviários federais, diplomatas e auditores fiscais. Pela reforma administrativa enviada pelo governo ao Congresso em setembro, essas carreiras manteriam a estabilidade, mas quais são os cargos que se enquadrarão nessa regra ainda precisará ser definido em projeto de lei. Conforme o estudo da CNI, divulgado na terça-feira (27), o Brasil gasta o equivalente a 13,4% do PIB com funcionalismo, acima da média da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), de 9,9%, e de países desenvolvidos como Suécia (12,7%), França (12,1%), Itália (9,5%) e Alemanha (7,5%). A entidade utilizou dados do FMI (Fundo Monetário Internacional) e do Banco Mundial, entre outros, para realizar o levantamento, parte de campanha em defesa da reforma administrativa (PEC 32/2020). "As despesas com servidores no Brasil, em nível federal, estão estabilizadas em percentual do PIB há mais de 20 anos e muito abaixo do limite permitido pela LRF [Lei de Responsabilidade Fiscal], mesmo com a estagnação do PIB e das receitas no período recente", argumenta o Fonacate, em nota pública. Ainda segundo a entidade, nos níveis estadual e municipal, o crescimento do gasto após a Constituição de 1988 resulta das maiores atribuições desses entes na prestação direta de serviços à população, como educação, saúde e segurança. "Não há descontrole, nem explosão de despesas com o funcionalismo, como sugere a nota econômica da CNI", afirma. Conforme o fórum, a comparação internacional proposta pela confederação da indústria é equivocada e metodologicamente falha. "A CNI desconsidera que os dados do FMI não são bem padronizados, distorcendo a comparação entre países", diz a entidade. "Enquanto no Brasil as despesas intraorçamentárias (contribuição do governo aos regimes próprios de Previdência) e a imputação contábil do déficit previdenciário inflam os gastos com pessoal apresentados ao FMI, na maior parte dos países da OCDE isto não é feito." O estudo da CNI afirma ainda que a remuneração de trabalhadores do setor público federal é 67% maior do que no setor privado, índice mais alto analisado em estudo do Banco Mundial que incluiu 53 países. Segundo o Fonacate, o estudo do Banco Mundial utilizado pela confederação da indústria é "repleto de inconsistências metodológicas". "A realidade é que 93% do funcionalismo brasileiro está no Poder Executivo, com média salarial de R$ 4,2 mil. Essa média aumenta no âmbito federal em função de diversos fatores, dentre os quais a complexidade de atribuições (na União, por isso, 75% dos servidores ativos têm graduação ou pós-graduação). Os pontos fora da curva em termos remuneratórios devem ser tratados como tal, nunca como regra." Por fim, a entidade sindical diz que a CNI deveria se preocupar com a retomada do dinamismo industrial. "Atacar direitos sociais e salários, como na reforma trabalhista, e o serviço público, como agora, não vai melhorar a situação da indústria brasileira, ao contrário, a prejudica ainda mais, com o enfraquecimento do mercado interno e a desestruturação das políticas públicas, inclusive a industrial", conclui a Fonacate. Procurada para responder às críticas, a CNI disse através de sua assessoria de imprensa que contesta que tenha trazido qualquer distorção ao debate sobre o gasto com funcionalismo público no Brasil. "A entidade utilizou exclusivamente dados de organismos internacionais respeitados, como FMI e Banco Mundial, com o intuito de contribuir para a discussão sobre a distribuição e a eficiência dos gastos públicos no Brasil." A confederação afirma ainda que, em relação aos gastos com pessoal no nível federal, há sim um descompasso com a realidade econômica. "Na comparação com 2015, quando o país iniciou um processo de ajuste fiscal, as despesas com pessoal registradas em 2019 mostraram aumento real de 10,9%." "Vale ressaltar, ainda, que recuperar o dinamismo industrial é preocupação permanente da CNI. É nesse sentido que a entidade apoiou fortemente a reforma da Previdência. E é também com esse objetivo que a entidade defende a aprovação da reforma tributária, nos moldes das PECs propostas pelo Congresso Nacional, e de uma reforma administrativa abrangente."