Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.444,00
    +575,39 (+1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Servidores do BC decidem suspender greve até maio, mas manter operação-padrão

·2 min de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após sinalização sobre proposta de reajuste salarial de 5%, os servidores do Banco Central decidiram, em assembleia realizada nesta terça-feira (19), suspender a greve por duas semanas, até o dia 2 de maio.

Mas a mobilização dos funcionários da autoridade monetária não terminou. A partir desta quarta (20), eles voltarão a atuar em operação-padrão e farão paralisações diárias, das 14h às 18h.

A decisão foi tomada depois de reunião com o presidente do BC, na segunda (18), quando Roberto Campos Neto afirmou aos representantes sindicais que o reajuste linear de 5% para todo o funcionalismo público é consenso entre os ministros e chancelado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo na última quarta-feira (13), Bolsonaro decidiu dar um reajuste linear de 5% para todas as carreiras —inclusive militares das Forças Armadas, além de integrantes do Judiciário e do Legislativo— a partir de 1º de julho deste ano.

De acordo com o Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central), Campos Neto também garantiu no encontro a implementação de duas demandas sobre reestruturação de carreira e se comprometeu a conseguir uma reunião entre os membros das três entidades dos servidores e o ministro Ciro Nogueira (Casa Civil).

"Nós demos um voto de confiança ao Roberto Campo Neto até 2 de maio para batalhar por uma proposta ainda melhor para os analistas e técnicos do BC", disse, em nota, Fábio Faiad, presidente do Sinal. Segundo ele, a decisão de suspender a greve foi tomada em uma votação apertada (55% dos servidores foram favoráveis e 45% contrários).

Apesar da pausa na greve, que teve início em 1º de abril, a categoria demonstrou insatisfação com a proposta discutida pelo governo.

"Nós declaramos que 5% são insuficientes, apresentamos uma contraproposta abrindo mão de que o reajuste de 27% seja no primeiro semestre de 2022, permitindo que a Medida Provisória tenha validade apenas a partir de 1º de julho. E, além disso, cobramos novamente o atendimento integral à nossa pauta não salarial", afirmou.

De acordo com Faiad, se as negociações não avançarem nas próximas semanas com uma nova oferta do governo, a greve será retomada automaticamente a partir de 3 de maio. Procurado, o BC não se pronunciou sobre a suspensão da paralisação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos