Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,84
    +3,35 (+3,03%)
     
  • OURO

    1.823,70
    +15,50 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    30.008,74
    -1.027,56 (-3,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.236,00
    -146,75 (-1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2613
    +0,0022 (+0,04%)
     

Servidores do BC aprovam volta da greve a partir de 3 de maio

*ARQUIVO* Brasília, DF - 11/01/2022 - Servidores do BC aprovam volta da greve a partir de 3 de maio

. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)
*ARQUIVO* Brasília, DF - 11/01/2022 - Servidores do BC aprovam volta da greve a partir de 3 de maio . (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Insatisfeitos com a proposta de reajuste salarial de 5% e sem avanço nas negociações, os servidores do Banco Central aprovaram, em assembleia realizada nesta sexta-feira (29), a retomada da greve por tempo indeterminado a partir da próxima terça, dia 3 de maio.

A decisão contou com o apoio de "ampla maioria" dos funcionários que participaram da assembleia deliberativa, segundo o Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central). O BC comunicou que não irá se pronunciar sobre a resolução.

A greve dos servidores da autoridade monetária estava suspensa desde o dia 19 de abril, quando os funcionários resolveram dar um "voto de confiança" a Roberto Campos Neto, presidente do BC, na busca "por uma proposta ainda melhor para os analistas e técnicos".

Desde então, eles vinham atuando em operação-padrão e fazendo paralisações diárias, das 14h às 18h.

De acordo com o Sinal, Campos Neto afirmou aos representantes sindicais, em uma reunião no dia 18, que o reajuste linear de 5% para todo o funcionalismo público é consenso entre os ministros e chancelado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Também segundo o sindicato, em encontro na quarta-feira (27), a diretora de Administração do BC, Carolina de Assis Barros, confirmou que "há grandes chances de a proposta ser oficializada" e disse que o BC atuará caso outra carreira congênere receba proposta superior.

Como antecipou a Folha, em 13 de abril, Bolsonaro decidiu conceder um reajuste de 5% para todas as carreiras --inclusive militares das Forças Armadas, além de integrantes do Judiciário e do Legislativo-- a partir de 1º de julho.

Nesta sexta, o presidente disse em entrevista à rádio Metrópole FM, de Cuiabá (MT), que a proposta de reajustar em 5% o salário de servidores federais "desagrada a todo mundo", mas tentou se afastar das críticas de categorias, pedindo compreensão.

O custo da medida é estimado em R$ 7,9 bilhões em 2022, enquanto o Orçamento só tem reservado o valor de R$ 1,7 bilhão para reajustes ou reestruturações de carreiras de servidores neste ano.

O descontentamento dos funcionários públicos cresceu após Bolsonaro ter acenado com aumento apenas aos policiais federais, categoria que compõe sua base de apoio.

Também de acordo com o sindicato, Campos Neto se comprometeu a conseguir uma reunião entre membros das três entidades dos servidores do BC e o ministro Ciro Nogueira (Casa Civil), o que não aconteceu até o momento.

A categoria havia demonstrado insatisfação com a proposta discutida pelo governo, apesar da suspensão temporária da greve no dia 19.

"Nós declaramos que 5% são insuficientes, apresentamos uma contraproposta abrindo mão de que o reajuste de 27% seja no primeiro semestre de 2022, permitindo que a Medida Provisória tenha validade apenas a partir de 1º de julho", afirmou Fábio Faiad, presidente do Sinal. "Além disso, cobramos novamente o atendimento integral à nossa pauta não salarial."

Sem reajuste nos últimos três anos, os servidores do BC pedem recomposição salarial de 27% e reestruturação de carreira de analistas e técnicos.

No BC, analistas recebem um salário bruto mensal aproximado de R$ 19 mil a R$ 27 mil, enquanto a remuneração de técnicos varia em torno de R$ 7.500 a R$ 12,5 mil.

Quanto à pauta não salarial, os funcionários pedem a mudança da nomenclatura de analista para auditor, por exemplo, e a exigência de nível superior para ingresso dos técnicos do BC.

A mobilização dos servidores, que se intensificou a partir de 1º de abril, causou uma série de atrasos nas atividades rotineiras da autoridade monetária, mas parte foi restabelecida ao longo das últimas duas semanas, durante a pausa da greve.

O BC divulgou alguns relatórios, notas e indicadores pendentes, como a pesquisa Focus, o relatório de poupança e outros, mas algumas pendências continuam devido ao volume acumulado.

As notas econômico-financeiras (setor externo e crédito) referentes ao mês de fevereiro, por exemplo, foram divulgadas nesta semana, com defasagem de cerca de um mês. A publicação dos dados relativos a março ainda não tem data prevista para acontecer.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos