Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    34.962,86
    -3.550,62 (-9,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Servidores do BC anunciam paralisação, e 1.200 já se comprometem a rejeitar cargos de chefia

·6 min de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em ato semelhante ao orquestrado pela Receita Federal nos últimos dias, o sindicato que representa os servidores do Banco Central (Sinal) iniciou movimento de entrega de cargos de chefia na autarquia nesta segunda-feira (3).

Segundo a entidade, a autoridade monetária conta com cerca de 500 posições comissionadas. Em nota, o Sinal afirmou que será elaborada uma lista nos próximos dias com os nomes de quem aderiu.

A coleta dos nomes será feita por meio de formulário eletrônico, disponibilizado hoje às 10h. Não só os chefes poderão assinar, mas também aqueles que se comprometem a não assumir os postos caso sejam convocados.

Ainda não há dados preliminares de quantos comissionados pretendem desistir da função, mas segundo a ANBCB (Associação Nacional dos Analistas do Banco Central do Brasil), que faz a gestão da plataforma de assinatura, em uma lista preliminar feita nas últimas semanas, cerca de 1.200 pessoas demonstraram interesse em aderir ao movimento. Entre elas, estão chefes e servidores que vão rejeitar os cargos.

O número representa quase um terço do total de servidores do BC, que atualmente é de 3.478.

Os servidores pedem reajuste salarial após o Congresso aprovar previsão de reposição apenas para policiais federais no Orçamento de 2022, com apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL).

"Estamos começando hoje, a ideia é fazer reuniões virtuais com servidores de todo o Brasil para convencê-los a aderir, até como forma de pressão para conseguir uma reunião com o presidente [do BC] Roberto Campos Neto. A gente acredita que nas próximas duas semanas teremos uma lista grande", ressaltou Faiad.

Os servidores que eventualmente substituiriam os comissionados também serão convidados a aderir, abrindo mão de cobrirem os titulares.

Além disso, o Sinal anunciou a adesão de trabalhadores do BC à paralisação dos servidores federais de diversos órgãos, que ocorrerá no próximo dia 18, organizada pelo Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado).

De acordo com o presidente do Sinal, Fábio Faiad, o objetivo da mobilização é reivindicar reajuste salarial não só para os policiais federais, mas também para o BC.

"Vamos inviabilizar a administração porque não está sendo atendido o pleito justo também para servidores do BC", completou.

Segundo Faiad, os servidores do BC reclamam ainda por não terem sido recebidos pelo presidente da autarquia, Roberto Campos Neto.

"[Os servidores] Estão indignados porque não tiveram reajuste e não foram recebidos pelo presidente Campos Neto, isso deixou o pessoal muito bravo. Entendemos que a resposta é a paralisação", disse.

Internamente, segundo relatos feitos à reportagem, os servidores argumentam que desde o início da pandemia de Covid-19 o BC tem feito muitas entregas, como o Pix (sistema de pagamentos instantâneos) e o open banking, além de diversas medidas de enfrentamento à crise sanitária.

Segundo afirmaram, sob a condição do anonimato, as iniciativas demandaram muito esforço do corpo funcional.

Há reclamações também à falta de empenho de Campos Neto em relação aos servidores. A avaliação é que o presidente do BC tem bom relacionamento com Bolsonaro e com o Congresso e teria condições de negociar reajuste.

"Não é só uma demanda por reajuste. Temos ainda uma bagagem de reestruturação de carreira pendente desde 2016", destacou o presidente da ANBCB, Henrique Seganfredo.

No mês passado, em uma carta endereçada ao presidente e aos diretores do BC, os servidores cobraram um posicionamento e citaram os esforços do corpo funcional nos últimos anos.

"Não obstante o cenário de necessária austeridade e equilíbrio, causou-nos profunda estranheza e indignação as tratativas para reajustes salariais para determinadas categorias do serviço público, alijando outras, gerando evidente assimetria de tratamento, e deixando de fora os servidores desta Casa", disse o texto, assinado por 45 chefes de departamento, cargo mais alto da carreira, depois da diretoria.

O movimento começou com a entrega de comissões na Receita Federal. O Sindifisco (sindicato da categoria) estima que 1.237 auditores em postos de chefia já abriram mão de cargos comissionados.

Outras carreiras do Executivo federal e do Judiciário começaram a se queixar do aumento previsto para policiais. Entre elas estão os funcionários do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), peritos médicos e auditores agropecuários.

O movimento ganhou mais força na semana passada, quando representantes da elite do funcionalismo decidiram que, para pressionar o governo federal a conceder reajuste salarial generalizado, poderão ocorrer paralisações de um ou dois dias em janeiro e até mesmo uma greve geral, sem prazo para terminar, a partir de fevereiro.

Em decisão unânime, o Fonacate traçou esse calendário. A entidade reúne 37 associações e sindicatos de carreiras de estado, sendo que cerca de 30 são de categorias do serviço público federal, como CGU (Controladoria-Geral da União), diplomatas, analista de comércio exterior, Tesouro Nacional, Receita Federal, auditores do trabalho e peritos federais. Ao todo, são cerca de 200 mil servidores públicos entre ativos e inativos.

O Fonasefe (Fórum das Entidades dos Servidores Públicos Federais), que reúne 30 entidades, como funcionários da área de saúde, Previdência e assistência social, discute se alinhar ao calendário Fonacate e promover uma greve geral caso as negociações não avancem.

Juntos, esses fóruns, segundo a cúpula dessas organizações, representam mais de 80% do funcionalismo do Executivo federal, que hoje tem aproximadamente 585 mil ativos.

A pressão do funcionalismo por aumento salarial preocupa a equipe econômica.

O ministro Paulo Guedes (Economia) já pediu apoio dentro do governo contra o reajuste amplo aos servidores, que, segundo ele, pode quebrar o país. Nos cálculos do governo, cada aumento de 1% linear a todos os servidores tem um impacto de R$ 3 bilhões.

Apenas PF, PRF (Polícia Rodoviária Federal) e Depen (Departamento Penitenciário Nacional), além de agentes comunitários de saúde, obtiveram promessa de reajuste dentro do funcionalismo.

O Orçamento prevê R$ 1,7 bilhão para o reajuste, mas não há no texto uma previsão de uso dessa verba exclusivamente para essas carreiras policiais.

Após a reunião do Fonacate, a entidade ressaltou que a maioria dos servidores públicos federais está com o salário defasado em 27,2%, pois não há reajuste desde 2017.

*

ENTENDA A MOBILIZAÇÃO DOS SERVIDORES FEDERAIS

1 - Qual o motivo da insatisfação?

Os servidores querem reajuste salarial não só para policiais federais ​

2 - Como está a movimentação por uma greve do serviço público?

Fonacate (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado) e Fonasefe (Fórum das Entidades dos Servidores Públicos Federais) discutem paralisação em janeiro e uma greve geral a partir de fevereiro

3 - Quantos servidores são representados por essas entidades?

Mais de 80% dos quase 600 mil servidores do Executivo, segundo a cúpula dessas organizações

4 - Quais categorias ameaçam parar?

CGU (Controladoria-Geral da União), diplomatas, analista de comércio exterior, Tesouro Nacional, Receita Federal, auditores do trabalho, entre outras, como servidores da saúde, Previdência Social e assistência social

5 - Quais os próximos passos?

Cada sindicato precisa se reunir em uma assembleia e aprovar a paralisação em janeiro

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos