Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.973,96
    -106,85 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,63 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,27 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Servidores do Banco Central preparam entrega de cargos e paralisação em ato por reajuste

·2 min de leitura
Banco Central, em Brasília

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - Após movimento na Receita Federal, o Banco Central se tornou foco de manifestação de servidores, que se preparam para entregar cargos de chefia em ato por reajustes salariais.

O Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) iniciou uma mobilização para que, além da entrega dos postos comissionados, as vagas não sejam repostas por outros componentes do banco.

A entidade ainda convocou os servidores da autarquia para um protesto pela reestruturação de carreira no dia 18 de janeiro, com paralisação das atividades, manifestação presencial em Brasília e atividades online em todas as regionais do órgão.

O presidente do Sinal, Fábio Faiad, afirmou à Reuters que a intenção é atingir o total de aproximadamente 500 cargos comissionados existentes hoje no BC, além dos 500 substitutos para esses postos.

Segundo o dirigente sindical, caso a autoridade monetária não dê uma resposta às reivindicações, o movimento deve ser ampliado.

"Se não tiver avanço até o dia 20 de janeiro, nós vamos nos reunir e chamar greve geral para a partir de fevereiro", disse.

De acordo com o sindicato, policiais federais e servidores da Receita terão reajustes em 2022, "aprofundando ainda mais diferenças remuneratórias entre o BC e carreiras congêneres".

Após acordo com o governo, carreiras de policiais conseguiram garantir a inclusão de 1,7 bilhão de reais no Orçamento de 2022 para reajustes. No entanto, não há definição para os servidores da Receita.

O sindicato de funcionários do Bacen afirma que não houve negociação no governo para rever a remuneração dos servidores do órgão.

"De elogios inócuos e 'tapinhas nas costas' os servidores estão cansados. O que se quer, de verdade, é ver o presidente do BC entrar em campo para valer e conseguir resolver de uma vez por todas as assimetrias", afirma o sindicato na convocação.

A entidade afirma que deve ser priorizada uma reestruturação de carreira, com reajuste salarial, dos cargos de analista e técnico.

Procurado para se manifestar, o BC informou que não fará comentários.

Após promessa do governo de reajustar salários de policiais, categorias de servidores federais demonstraram insatisfação e iniciaram mobilizações. Sindicatos articulam paralisações das atividades em janeiro como forma de pressionar o Executivo.

O movimento mais forte até o momento acontece na Receita Federal. De acordo com o Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita), 951 auditores fiscais entregaram cargos de chefia até a última semana.

Conselheiros do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) também entregaram carta de renúncia coletiva de seus mandatos e prometeram paralisar as sessões de julgamento do órgão em janeiro.