Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.476,76
    +1.003,79 (+2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Serviço de nuvem ficou vulnerável à invasão, alerta Microsoft

·1 minuto de leitura
Bangkok, Thailand - August 20, 2020 : Computer user touching on Microsoft Edge, a web browser developed by Microsoft, icon on Windows 10 to open the program.
Problema de segurança foi identificado na Microsoft Azure, uma plataforma que executa aplicativos e serviços (Getty Image)
  • Sistema de nuvem utilizado pela Coca-Cola ficou vulnerável a ataques

  • Pesquisadores israelenses identificaram a falha e comunicaram a empresa

  • Microsoft pede que os usuários mudem a chave de acesso para proteger dados sigilosos

Um grupo de pesquisadores da Wiz, companhia de segurança israelense, descobriu a falha no serviço de armazenamento em nuvem da Microsoft. Vulnerabilidade no sistema poderia facilitar a ação de invasores, que teriam capacidade de acessar, mudar e até mesmo apagar suas principais bases de dados.

Leia também:

Defeito foi identificado quando estudiosos conseguiram acessar dados sigilosos de recurso utilizado por empresas, como a Coca-Cola. A falha foi encontrada na Microsoft Azure, uma plataforma que executa aplicativos e serviços através do sistema de armazenamento em nuvem.

Os pesquisadores descobriram o defeito no dia 9 de agosto deste ano, mas falha existe desde 2019, quando a Microsoft adicionou um recurso na plataforma chamado 'Jupyter Notebooks'. 

Para proteger a privacidade dos clientes, companhia enviou um e-mail a todos usuários pedindo que eles alterassem as chaves de acesso o quanto antes.

Como agradecimento pelo aviso, a empresa concordou em pagar US$ 40 mil a Wiz pela identificação do problema e por alertar a gigante da área da tecnologia sobre a vulnerabilidade no sistema.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos