Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,40 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,65
    +1,15 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.807,30
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    23.739,96
    +602,67 (+2,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    559,85
    +28,63 (+5,39%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,10 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.507,11
    +18,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.610,84
    -392,60 (-1,96%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.390,75
    +359,25 (+2,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2381
    +0,0054 (+0,10%)
     

Serviços de streaming crescem na pandemia, mas oferta esbarra na inflação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Still de celular com o aplicativo de streaming Netflix aberto. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Still de celular com o aplicativo de streaming Netflix aberto. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em 2021, o percentual de usuários de internet pagando por plataformas de vídeo foi de 43% e de 19% para áudio. As classes A e B registram maiores taxas de pagantes, 71% para filmes e séries e 41% para ouvir música.

Os dados são do Painel TIC Covid-19, feito pelo Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação), que monitora o comportamento na internet.

"O principal consumidor deste tipo de serviço é jovem e com maior instrução", afirma Catarina Segatto, analista de informações do Cetic.br. Ela afirma ver possibilidade de crescimento no setor, e um dos motivos é o aumento na oferta de conteúdo.

O maior número de plataformas, por sua vez, leva a mais competitividade, afirma Márcio Rodrigo Ribeiro, professor de cinema e audiovisual da ESPM.

É um desafio para as empresas, que precisam manter contas em dia em um cenário de alta na inflação, afirma.

STREAMING DE FILMES E SÉRIES: NETFLIX

Empresa estuda uso de publicidade para baratear planos Em abril, a Netflix anunciou uma queda de 200 mil assinantes no primeiro trimestre de 2022, o primeiro recuo registrado no indicador em uma década.

Com a queda, a empresa não atingiu a meta de 2,5 milhões de usuários estabelecida para o período.

O cenário de instabilidade levou a empresa a falar pela primeira vez em incluir anúncios publicitários em sua plataforma, como parte de planos mais baratos, que devem ser anunciados no último trimestre deste ano.

Lembrada por 62% dos entrevistados na pesquisa O Melhor da Internet 2022, do Datafolha, a Netflix foi eleita como melhor streaming para assistir filmes e séries.

"Para conquistar o consumidor as plataformas se popularizaram com planos a preços baixos e assinaturas para compartilhar. Agora precisam de medidas impopulares, como redimensionar preços para equilibrar as contas", afirma Márcio Rodrigo Ribeiro, da ESPM.

Em 2021, o investimento em publicidade feito pelas principais plataformas de vídeo aumentou 243%, na comparação com 2019, segundo a pesquisa Inside Video 2022, do Kantar Ibope.

O levantamento também mostra aumento no número de televisores conectados à internet, que passou de 49%, em 2020, para 57%, em 2021. No entanto, a maior parcela do consumo de vídeo ainda vem pelas emissoras lineares, 79%, enquanto as plataformas digitais somam 21%.

Ribeiro, da ESPM, explica que apesar da popularidade dos lançamentos de séries e filmes, o consumidor brasileiro ainda é muito ligado às emissoras de televisão, o que se deve, também, à desigualdade da distribuição de acesso de banda larga de boa qualidade no país.

Netflix

62% das menções

Fundação: 1997, no Brasil desde 2011

Sede: Los Gatos (CA), EUA

Usuários: 222 milhões assinaturas em todo mundo

Canais Digitais: site, aplicativo e redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram e TikTok)

STREAMING DE MÚSICA: SPOTIFY

Plataforma aposta no crescimento de podcasts e audiolivros

O Spotify anunciou neste mês que espera atingir receita de US$ 100 bilhões (R$ 521 bi) anualmente, no mundo, em 10 anos, com alta margem de retorno para expansão em podcasts e audiolivros.

A plataforma foi eleita como melhor streaming para ouvir música por 29% dos entrevistados na pesquisa Datafolha.

O consumo de podcasts tem crescido na audiência nacional segundo pesquisa do IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau), associação que reúne empresas de publicidade digital.

Em 2021, 35% dos brasileiros com acesso à internet escutaram podcasts três ou mais vezes por semana.

Entre as principais motivações para acompanhar o conteúdo, estão aprofundar assuntos de interesse (53%), obter conhecimento (48%) e acompanhar notícias (40%).

Em 2021, 89% dos usuários de internet no Brasil afirmam ter ouvido música em serviços online e 62% acompanharam transmissões de áudio ou vídeo em tempo real, segundo dados do Painel TIC Covid-19, realizado pelo Cetic.br.

"Ouvir músicas online é um dos comportamentos que abrangem maior percentual de usuários da internet. Mas o perfil de quem paga pelo conteúdo e utiliza plataformas de streaming reflete desigualdades do país", afirma Catarina Segatto, do Cetic.br.

Para Roberta Pate, líder de operações do Spotify na América Latina, é determinante para a marca ser uma plataforma gratuita [com anúncios], em que ouvintes têm acesso "a músicas de todo o mundo e a mais de 4 milhões de podcasts".

Spotify

29% das menções

Fundação: 2008

Sede: Estocolmo, Suécia

Usuários: 422 milhões por mês, em todo o mundo

Canais Digitais: Site, aplicativo e redes sociais (Instagram, Twitter e Facebook)

UNIVERSIDADE À DISTÂNCIA: ESTÁCIO

Expansão do setor se beneficia de tecnologia da informação

O investimento contínuo em análise de dados aumenta o envolvimento do aluno com a universidade à distância, afirma José Aroldo Alves Júnior, vice-presidente de Ensino Digital da Yduqs, holding que gere a Estácio.

A empresa foi eleita, pela pesquisa Datafolha, como melhor universidade de ensino à distância, com 5% das menções. Do total da amostra, 54% dos entrevistados não soube ou não se lembrou de nenhuma instituição online.

"Temos algoritmos funcionando a todo momento, medindo desde dados financeiros até quanto tempo o aluno estuda, para tentar prever quanto tempo ele vai ficar na plataforma", diz.

Hoje a Estácio disponibiliza o mesmo conteúdo em diferentes formatos, áudio, vídeo e texto, para que o aluno possa escolher, diz o gestor. Para ele, o próximo passo é desenvolver ferramentas que possam indicar ao estudante qual a melhor trilha de aprendizagem, de acordo com seu comportamento dentro da plataforma.

O Censo da Educação Superior de 2020, divulgado em 2022 pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) mostrou aumento no interesse pelo EaD na última década, em 2010 o percentual de ingressantes na modalidade era de 17,4% do total, passando para 53,4%, em 2020.

Entre 2019 e 2020 o número de ingressantes no EaD também aumentou, crescendo 26%, já a modalidade presencial teve queda de 13,9%.

"A universidade precisa estimular o comprometimento do aluno e ao olhar para os dados pode ver pontos de melhoria", diz Sólon Caldas, diretor-executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior.

O gestor vê o investimento em análise de dados como uma tendência do setor, para expandir e combater a taxa de evasão no EaD, que é maior do que a registrada em cursos presenciais. "Cada instituição é livre para traçar a melhor estratégia operacional, mas deve sempre estar atenta à Lei Geral de Proteção de Dados.

Estácio

5% das menções

Fundação: 1970

Sede: Rio de Janeiro (RJ)

Usuários: 500 mil, em maio de 2022

Canais Digitais: Site, redes sociais (Instagram, Facebook, LinkedIn e TikTok), além de grupos próprios do Telegram e WhatsApp

SITE DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS: OLX

Compra e venda de imóveis tem jornada híbrida

A jornada de quem está em busca de um novo lar é híbrida, seja para compra ou aluguel. Começa uma seleção de imóveis online, cotação de preços, locais e só depois passa para o presencial, com suporte de corretores e empresas, conta Vicente Penter, diretor de Tecnologia da Associação Brasileira do Mercado Imobiliário (ABMI).

A opinião é compartilhada pelo presidente da OLX Brasil, Andries Oudshoorn. Para o executivo, tanto consumidor quanto anunciante buscam agilidade, informação e segurança.

Com 8% das menções, a OLX foi eleita como melhor site para aluguel e venda de imóveis na pesquisa O Melhor da Internet 2022, do Datafolha. A maioria dos entrevistados (71%) não soube responder.

"Nós não queremos ser uma imobiliária, mas ajudamos a conectar os interessados no mercado de imóveis" diz Andries.

Ele conta que a OLX se popularizou com anúncios conectando o consumidor ao comprador, mas têm investido em fortalecer a relação com as imobiliárias.

Desde 2020, a empresa também é dona das plataformas Zap Imóveis e Viva Real. Além disso, presta consultoria e oferece serviços como precificação automatizada pela Data Zap, braço de inteligência de dados da OLX Brasil.

Os imóveis representam a maior fatia de lucro da OLX, seguida por automóveis e bens de consumo, a empresa não divulga o percentual de lucratividade de cada segmento.

Para Penter, da ABMI, a digitalização transformou o mercado de imóveis, inicialmente restrito à localização das empresas, que tinham conhecimento sobre determinada área de cobertura. Com a internet, plataformas de abrangência nacional como Loft e Quinto Andar têm ganhado destaque.

Acompanhar o ritmo de investimento em tecnologia é um dos principais desafios para empresas menores, diz. Nesse cenário, imobiliárias regionais podem se beneficiar de plataformas que reúnem anunciantes, como é o caso da OLX.

Penter firma que, para a ABMI a expectativa do setor é de crescimento nas empresas que apostam em tecnologia.

O investimento em startups da construção civil e do mercado imobiliário movimentou R$ 5,8 bilhões entre maio de 2021 e maio de 2022, segundo dados do 6º Mapa de Construtechs & Proptechs, realizado pela Terracotta, empresa de investimentos em tecnologia de construção civil e mercado imobiliário.

A pesquisa também mostra que, nos últimos seis anos, o número de startups do setor cresceu 282%.

OLX

8% das menções

Fundação: 2010 (OLX Brasil)

Sede: Rio de Janeiro (RJ)

Canais Digitais: Site, aplicativo e redes sociais (Facebook, Instagram, YouTube, Twitter, LinkedIn e TikTok)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos