Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,80
    -0,77 (-1,95%)
     
  • OURO

    1.907,20
    -4,70 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    13.654,50
    -26,24 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,32
    +9,03 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.533,00
    -55,00 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

Serviços sobem 2,9% em agosto, mas seguem sem recuperar perdas da pandemia

DIEGO GARCIA
·2 minutos de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL. 06.08.2020 - RESTAURANTES - Prefeitura autorizou a reabertura de bares e restaurantes noturno mas com limitação de público e com horário restrito até as 22h. Bares e restauntes na região da Av. Luis Dumont Vilares. (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL. 06.08.2020 - RESTAURANTES - Prefeitura autorizou a reabertura de bares e restaurantes noturno mas com limitação de público e com horário restrito até as 22h. Bares e restauntes na região da Av. Luis Dumont Vilares. (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Último setor da economia a iniciar retomada após o pico da pandemia, os serviços apresentaram crescimento de 2,9% em agosto na comparação com o mês anterior, informou nesta quarta-feira (14) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Foi o terceiro mês consecutivo de alta, mas as vendas do setor ainda se encontram 9,8% abaixo do verificado antes da crise causada pela chegada da Covid-19 no país. Na comparação com agosto do ano passado, as vendas do setor de serviços caíram 10%.

A alta, porém, ainda não recupera as perdas causadas pelos efeitos da Covid-19 no país. No acumulado de janeiro a agosto, o setor registra retração de 9%. Considerando os últimos 12 meses, a queda é 5,3%.

O setor de serviços é o principal componente do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e o maior gerador de empregos do país. Sua recuperação é considerada fundamental para definir o ritmo de retomada da economia após as flexibilização das medidas de isolamento social.

É nesse setor que estão atividades como bares e restaurantes, hotéis, cinemas ou salões de beleza. Com maior dependência de contato pessoal, elas tiveram grandes perdas e demoram mais a se recuperar, seja porque ainda enfrentam restrições ao funcionamento seja pelo temor de contaminação.

A retomada da economia brasileira com a flexibilização das medidas restritivas pelo país não tem sido igual em todos os setores.

Indústria e comércio emendam quatro meses consecutivos de alta. Este último, que no PIB é parte dos serviços, já recuperou os níveis de venda pré-pandemia e ficou 2,6% acima do recorde de outubro de 2014. Segundo o IBGE, a diversidade do setor de serviços e a dependência do contato explicam a recuperação mais lenta. O comércio brasileiro fechou com alta de 3,4% em agosto. De acordo com o IBGE, o setor está 8,9% acima do patamar de fevereiro, superando totalmente as perdas acumuladas durante a pandemia.

Na produção industrial, o crescimento em agosto foi de 3,2%. O setor, porém, ainda não conseguiu recuperar as perdas do pior período da crise, quando teve perdas de 27%. Diante desse cenário, a indústria ainda continua 2,6% abaixo do nível de fevereiro, período pré-pandemia.

A pandemia também segue deteriorando o mercado de trabalho no Brasil. A taxa de desemprego atingiu o patamar inédito de 13,8% no trimestre encerrado em julho.

É recorde também o número de brasileiros que se declararam desalentados, ou seja, que desistiram de procurar emprego por acreditarem que não vão encontrar uma vaga: 5,8 milhões. Igualmente inédito é o número de trabalhadores que se consideram subutilizados -trabalham menos horas do que gostariam. Esse contingente reunia 32, 9 milhões de pessoas.

No total, em julho, eram 52 milhões atingidos pela crise no emprego causada pela Covid-19 e seus efeitos.