Mercado abrirá em 7 h 28 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,76
    +1,19 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.827,50
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    20.797,12
    -367,55 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,27
    -9,52 (-2,06%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.083,26
    -146,26 (-0,66%)
     
  • NIKKEI

    26.976,91
    +105,64 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.030,25
    -10,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5405
    -0,0036 (-0,06%)
     

Serviços reagem com retorno da atividade após restrições na pandemia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO*** Rio de Janeiro, RJ, BRASIL, 07-10-2021 - Movimentação em hotel no Rio. (Foto: Lucas Seixas/Folhapress)
***ARQUIVO*** Rio de Janeiro, RJ, BRASIL, 07-10-2021 - Movimentação em hotel no Rio. (Foto: Lucas Seixas/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após ser castigado pela pandemia, o setor de serviços no Brasil teve alta de 1% no primeiro trimestre de 2022, frente aos três meses imediatamente anteriores, informou nesta quinta-feira (2) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado integra o cálculo do PIB (Produto Interno Bruto). O setor de serviços é o principal pela ótica da oferta, ou seja, dos segmentos produtivos da economia.

O ramo responde por cerca de 70% do indicador nacional. Engloba uma grande variedade de empresas, de pequenos comércios a instituições financeiras e de ensino. Também é o principal empregador no país.

Com a crise sanitária, a prestação de serviços amargou um duro golpe a partir de 2020, já que reúne atividades que dependem da circulação de consumidores. Restaurantes, bares, hotéis, salões de beleza e eventos fazem parte dessa lista.

Ao longo dos últimos meses, o cenário mudou com o avanço da vacinação contra a Covid-19, que permitiu a derrubada de restrições à circulação de pessoas. Assim, houve uma retomada do consumo.

"Dentro dos serviços, o maior crescimento foi de outros serviços, que tiveram alta de 2,2% no trimestre e comportam muitas atividades dos serviços prestados às famílias, como alojamento e alimentação", disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, em referência a negócios como hotéis, bares e restaurantes.

Ainda dentro dos serviços, houve crescimento de 2,1% em transporte, armazenagem e correio. A volta de viagens aéreas é uma das explicações para a alta.

Conforme os dados divulgados pelo IBGE, o PIB cresceu 1% em termos gerais no primeiro trimestre. O resultado foi puxado por serviços.

"O crescimento do PIB foi muito baseado em segmentos que sofriam com restrições na pandemia. Havia uma demanda reprimida", afirma a economista-chefe do banco Inter, Rafaela Vitoria.

A recuperação do setor de serviços, contudo, não está imune a riscos em 2022. Inflação em escalada, juros elevados e renda menor dos brasileiros jogam contra a melhora do segmento ao longo dos próximos meses.

INDÚSTRIA FICA ESTAGNADA

A indústria, outro dos grandes setores do PIB, registrou leve variação de 0,1% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao quarto trimestre de 2021, informou o IBGE.

Dentro da indústria, o maior avanço veio do ramo de eletricidade, gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos: 6,6%. A alta, segundo o instituto, foi impulsionada pela operação de usinas hidrelétricas, beneficiadas pelas chuvas no começo do ano.

A indústria de transformação, por sua vez, cresceu 1,4%. A construção (0,8%) também ficou no azul.

Por outro lado, fortes chuvas em locais como o Sudeste prejudicaram a produção de minério de ferro. Assim, a indústria extrativa caiu 3,4% no primeiro trimestre. Esse desempenho levou o setor industrial para baixo em termos gerais.

Parte das fábricas ainda amarga escassez de insumos, decorrente do desajuste das cadeias produtivas na pandemia. A alta dos preços de matérias-primas também desafia as empresas.

AGROPECUÁRIA RECUA

A agropecuária, terceiro dos grandes setores do PIB pela ótica da oferta, recuou 0,9% no primeiro trimestre, frente aos três meses imediatamente anteriores, apontou o IBGE.

"Essa queda foi impactada principalmente pela estiagem no Sul, que causou a diminuição na estimativa da produção de soja, a maior cultura da lavoura brasileira", afirmou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Apesar dos efeitos climáticos negativos, o Brasil ainda deve registrar uma safra recorde de 261,5 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2022, segundo projeção de abril do instituto. Esse dado foi divulgado em maio pelo IBGE.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos