Mercado abrirá em 8 h 11 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,44
    -0,69 (-1,30%)
     
  • OURO

    1.862,10
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    30.787,58
    +973,54 (+3,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    608,76
    -71,14 (-10,46%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.550,38
    -377,38 (-1,26%)
     
  • NIKKEI

    28.646,99
    -109,87 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.349,50
    -46,00 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5129
    +0,0045 (+0,07%)
     

Serviços crescem 2,6% em novembro, mas continuam sem recuperar perdas da pandemia

DIEGO GARCIA
·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Apesar da sexta alta seguida, com crescimento de 2,6% em novembro, o setor de serviços ainda não recuperou as perdas da pandemia, informou nesta quarta-feira (13) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Setor com recuperação mais lenta desde a reabertura da economia, o volume de vendas dos serviços ainda está 3,2% abaixo do registrado em fevereiro, antes da chegada da Covid-19 ao Brasil. Serviços é o setor que mais emprega no país e sua retomada é considerada fundamental para acelerar a recuperação econômica após a pandemia. Apesar da flexibilização do isolamento social no período, não houve uma retomada do patamar pré-crise. Na comparação com novembro de 2019, o volume de serviços mostra um resultado negativo de 4,8%, a nona baixa seguida neste índice. No acumulado do ano até novembro, o setor recuou 8,3% na comparação com o mesmo período de 2019. Em 12 meses, a queda é de 7,4%, o pior resultado desde o início da série histórica. O setor deve fechar o ano com o pior recuo desde o início da pesquisa, em 2011. Na divulgação desta quarta, todos os cinco ramos de atividade tiveram crescimento, com destaque para os dois setores mais afetados pela pandemia: transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, com alta de 2,4%, e serviços prestados às famílias, que avançaram 8,2%. Com o crescimento recente dos casos de Covid-19, que vem registrando cada vez mais mortes -foram 1.109 nesta terça (12)-, a recuperação incipiente pode perder força. O gerente da pesquisa Rodrigo Lobo apontou que as atividades presenciais são as que enfrentam mais obstáculos para recuperarem o nível pré-pandemia, como os ramos de restaurantes, hotéis e transportes. "Atividades como restaurantes, hotéis, serviços prestados à família de uma maneira geral e transporte de passageiros, seja o aéreo, o rodoviário e ou o metroviário, até mostraram melhoras, mas a necessidade de isolamento social ainda não permitiu o setor voltar ao patamar pré-pandemia", afirmou o gerente. O setor de transportes ainda está 5,4% abaixo do patamar de fevereiro, apesar do ganho de 26,7% entre maio e novembro. No mesmo período, os serviços prestados às famílias tiveram alta de 98,8%, mas seguem 34,2% abaixo do nível anterior à chegada da Covid-19. Segundo o IBGE, somente serviços de informação e comunicação (0,5%) e outros serviços (0,5%) superaram o nível de fevereiro. Os serviços cresceram em 19 das 27 unidades da federação. São Paulo teve o avanço mais significativo, com alta de 3,2%. Outros registros importantes foram em Minas Gerais, (2,8%), Rio de Janeiro (1,3%), Rio Grande do Sul (3,2%), Pernambuco (5,2%) e Paraná (2,1%). Por outro lado, o DIstrito Federal teve o recuo mais forte, de 9,9%. Na comparação com novembro de 2019, 22 das 27 unidades federativas recuaram no volume de serviços. As influências mais negativas foram de São Paulo (-3,8%), Rio de Janeiro (-7,9%) e Distrito Federal (-18,6%). O IBGE calcula mensalmente um indicador que reúne as atividades do setor ligadas ao turismo. Em novembro, o Índice de Atividades Turísticas avançou 7,6% na comparação com o mês anterior, sétima taxa positiva seguida. Porém, o segmento de turismo ainda está 42,8% abaixo do patamar de fevereiro de 2020, antes da pandemia promover o distanciamento social como forma de conter o avanço da Covid-19 pelo país, afetando boa parte das atividades turísticas.