Mercado abrirá em 7 h 51 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,33
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.750,80
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    44.169,57
    +116,64 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.103,38
    -5,54 (-0,50%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.504,11
    -6,87 (-0,03%)
     
  • NIKKEI

    30.243,16
    +603,76 (+2,04%)
     
  • NASDAQ

    15.291,50
    -12,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2233
    -0,0017 (-0,03%)
     

Serviço de e-mail seguro muda política após entregar dados de usuário à Justiça

·3 minuto de leitura

A prisão de ativistas da organização Youth for Climate, que realiza protestos e ações em prol do meio ambiente, ganhou contornos complexos quando surgiu a informação de que o ProtonMail entregou informações sobre a conta de e-mail usada pelo indiciado. As discussões quanto à real privacidade do serviço, que se vende como um serviço de correio eletrônico seguro e protegido, levaram a uma alteração nos termos de uso da plataforma e a um pronunciamento da própria empresa.

O caso aconteceu no último final de semana, mas suas implicações foram iniciadas bem antes disso. Em dezembro do ano passado, a polícia francesa prendeu 20 pessoas que participavam de protestos e ocupações no bairro de Place Sainte Marthe, em Paris. Desse total, sete serão julgadas no início do ano que vem por crimes como roubo, invasão de domicílio e destruição de patrimônio público — durante as investigações, as autoridades descobriram que a organização se comunicava pelo ProtonMail, como forma de usar a segurança adicional do serviço para não ter seus passos rastreados.

A empresa fica sediada na Suíça e, por conta das leis locais, se viu obrigada a entregar, sem recurso, informações como IP e detalhes dos dispositivos utilizados pelos ativistas para acessar o perfil e trocar mensagens. É uma prática que vai contra os termos de uso da própria plataforma, que afirmava, até agora, não catalogar nenhum tipo de dado de seus usuários; após a ordem, a companhia mudou o texto para afirmar que protege a privacidade dos usuários e os coloca acima dos interesses dos parceiros de publicidade.

A falta de transparência do serviço foi duramente criticada por ativistas e usuários, que acusaram a empresa de auxiliar na perseguição dos manifestantes franceses. A alteração nos termos de uso também chamou a atenção negativamente e motivou até mesmo o envolvimento direto do CEO da empresa, Andy Yen, que respondeu a usuários por meio do Twitter e esclareceu algumas das questões envolvidas.

Legislação e compromisso

O caso representa um precedente inédito, como afirma o ProtonMail em comunicado divulgado publicamente. A plataforma reafirmou que não registra nenhum tipo de informação de seus usuários, mas disse ser obrigada a fazer isso a partir do momento em que recebe uma ordem judicial nesse sentido, como no caso da Youth for Climate. A coleta é feita apenas nas contas específicas indicadas pelas autoridades e somente após pedidos feitos na própria Suíça, com a entrega a estrangeiros sendo proibida pelas leis do país.

Além disso, de acordo com o pronunciamento, o ProtonMail é obrigado a notificar os usuários investigados sobre a realização de registros relacionados às suas contas. O serviço afirma ainda que, ao receber a ordem judicial, não estava ciente de que os alvos eram ativistas em prol do meio ambiente, afirmando que o governo apenas citou o envolvimento dos acusados em “crimes sérios” — mesmo que soubesse disso, porém, a companhia nada poderia fazer, já que não cabe recurso a uma decisão desse tipo, expedida pelas autoridades da Suíça.

Ainda assim, Yen lamentou publicamente o caso, citando como “deplorável” o uso de ordens judiciais para ações contra manifestantes. O CEO afirmou que, apenas em 2020, o ProtonMail rebateu na justiça mais de 700 pedidos indevidos de coleta e entrega de dados, todas as ocorrências indicadas em relatórios periódicos de transparência.

Como forma de solidificar essa ideia, o comunicado indica ainda o uso de VPNs e da rede Tor como alternativas aos usuários que estiverem preocupados com eventuais pedidos de coleta de dados. Yen se comprometeu, ainda, a seguir adiante no combate, garantindo que o ProtonMail continue sendo um ambiente seguro para ativistas, ainda que a pressão das autoridades pareça cada vez maior.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos