Mercado abrirá em 8 hs
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,48
    +0,43 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.685,70
    +7,70 (+0,46%)
     
  • BTC-USD

    53.786,25
    +3.242,65 (+6,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,76
    +61,55 (+6,01%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    28.934,91
    +191,66 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.449,75
    +152,50 (+1,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Seriam os assintomáticos os principais responsáveis pela propagação da COVID-19?

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Para conter a pandemia da COVID-19, uma das medidas mais importantes é evitar o contágio do novo coronavírus (SARS-CoV-2). No entanto, essa é uma missão bastante difícil, porque mesmo pacientes assintomáticos podem transmitir a doença. Para entender qual é a probabilidade de transmissão do vírus em cada caso, pesquisadores norte-americanos trabalharam com uma série de simulações.

Publicada no Journal of the American Medical Association, a pesquisa demonstrou que pelo menos 50% dos novos casos da COVID-19 foram transmitidos por pacientes assintomáticos, ou seja, sem nenhum sintoma da infecção. "Os resultados deste estudo sugerem que a identificação e o isolamento de pessoas com COVID-19 sintomática por si só não controlará a propagação contínua da SARS-CoV-2", afirmam os pesquisadores, defendendo a ampla adoção de medidas de proteção, como máscaras e higienização correta das mãos.

Pacientes assintomáticos podem ser responsáveis por pelo menos metade dos novos casos da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Kate Trifo/ Unsplash)
Pacientes assintomáticos podem ser responsáveis por pelo menos metade dos novos casos da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Kate Trifo/ Unsplash)

"Ainda havia alguma controvérsia sobre o valor da mitigação da comunidade — máscaras faciais, distanciamento social e higiene das mãos — para limitar a disseminação", comenta o pesquisador Jay Butler, vice-diretor de doenças infecciosas do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) e principal autor do novo estudo, para o site Business Insider.

Pesquisa sobre contágio do coronavírus

Para o estudo, os pesquisadores simularam a transmissão da COVID-19 em três grupos: pré-sintomáticos (pessoas que ainda não tinham sintomas da infecção por coronavírus); sempre assintomáticos (pacientes que nunca manifestaram sintomas, mesmo estando contaminados); e sintomáticos. Cada grupo passou por diferentes simulações, como o dia do contato com uma pessoa saudável, no modelo analítico desenvolvido.

Na maioria dos cenários propostos pela pesquisa, as pessoas sem sintomas — tanto as assintomáticas quanto as pré-sintomáticas — transmitiram pelo menos 50% das novas infecções do coronavírus. "A proporção de transmissões permaneceu geralmente acima de 50% em uma ampla gama de valores básicos", comenta Butler sobre a descoberta considerada "surpreendente".

No entanto, o grupo ressalva que o modelo desenvolvido, provavelmente, subestima a porcentagem real de casos da COVID-19 causados ​​por pessoas sem sintomas. Isso porque as taxas de transmissão foram calculadas como se todos se movimentassem ao acaso. Só que pacientes com sintomas e diagnosticados com a infecção devem respeitar a quarentena. Por outro lado, os assintomáticos impõem menos restrições em sua rotina, desde que não saibam da doença. Nesse sentindo, poderiam transmitir a infecção em locais como restaurantes, onde é permitido retirar a máscara, o que aumentaria a porcentagem de transmissões.

Para acessar o estudo completo, publicado no Journal of the American Medical Association, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: