Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.082,27
    -179,48 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Será? Energia escura pode ser parte da matéria escura, segundo estudo

Daniele Cavalcante
·3 minuto de leitura

Os astrônomos modernos precisam lidar com o fato desconcertante de que ainda não foi possível explicar porque o universo está em expansão contínua e acelerada. Os teóricos atribuem isso a algo chamado energia escura, mas ninguém sabe exatamente a natureza dessa energia, embora os cálculos digam que ela compõe 70% do universo. Entretanto, um novo estudo sugere que ela talvez não exista.

Em palavras melhores, o artigo publicado no repositório arXiv substitui a força inerente à energia que se acredita existir por uma força aplicada em algo um pouco mais fácil de lidar. A proposta é simplesmente atribuir o magnetismo à matéria escura, que parece compor 25% de todo o universo. Ainda não se sabe de qual tipo de partícula a matéria escura é formada porque não podemos vê-la ou medir suas propriedades, mas sabemos que ela interage gravitacionalmente.

Calcular a quantidade de matéria do universo é uma tarefa complicada, assim como é difícil determinar com precisão a taxa de expansão do universo. Mas as duas coisas não costumam estar tão relacionadas — os astrônomos associam a expansão à energia escura, enquanto a matéria escura é compreendida como responsável pela formação de grandes estruturas, como as galáxias. Graças à interação gravitacional entre os objetos, é possível obter até mesmo a massa da matéria escura de uma galáxia.

Mas a energia escura tem se mostrado bem mais misteriosa. A hipótese é que ela estaria distribuída por todo espaço e é responsável pela aceleração da expansão do universo, enquanto sua principal característica é possuir uma forte pressão negativa — ou seja, algo que age em larga escala em oposição à gravidade. Embora haja muitas ideias para explicar a natureza dessa energia, não há dados observacionais que apontem para uma delas como favorita. Mas e se não houver uma energia separada da matéria escura impulsionando a aceleração?

Uma das propostas de cálculo da quantidade de matéria escura e de energia escura no universo (Imagem: Reprodução/Mohamed Abdullah/UC Riverside)
Uma das propostas de cálculo da quantidade de matéria escura e de energia escura no universo (Imagem: Reprodução/Mohamed Abdullah/UC Riverside)

Em seu novo estudo, Karoline Loeve , Kristine Simone Nielsen e Steen H. Hansen, da Universidade de Copenhagen, apresentam os resultados após testarem um modelo cosmológico que substitui a energia escura por uma matéria escura que possui forças magnéticas. Parece um “chute no escudo”, mas o resultado foi impressionante: eliminando toda a energia escura da equação e adicionando essas propriedades magnéticas aos 25% que representam a matéria escura, a expansão do universo continuou a mesma.

Claro, isso não significa que a energia escura não existe, tampouco o estudo pode ser usado como evidência. Mas o resultado mostra que há essa possibilidade, então a expectativa da equipe é que talvez ela deva ser considerada. “Desenvolvemos um modelo que partia do pressuposto de que as partículas de matéria escura têm um tipo de força magnética e investigamos que efeito essa força teria no universo”, explica Hansen. "Honestamente, nossa descoberta pode ser apenas uma coincidência. Mas se não for, é realmente incrível”, completou.

O modelo de computador desenvolvido pela equipe inclui um bocado de coisas que se sabe sobre o universo, como as forças gravitacionais, a velocidade de expansão do universo e a força desconhecida que expande o universo. Se a hipótese estiver correta, isso mudaria completamente a compreensão atual sobre a composição do cosmos. Afinal, se os modelos dizem que 70% do universo é feito de energia escura e ela não existe, os cálculos teriam que ser reavaliados. Mas os autores do estudo sabem que a proposta estará sob escrutínio de pares e, talvez, possa ser refutada. “Somente observações mais detalhadas determinarão qual desses modelos é o mais realista”, admite Hansen. “Portanto, será incrivelmente emocionante testar novamente nosso resultado”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: