Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.281,71
    +1.740,69 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Sentindo-se abandonado, Daniel Silveira critica base do governo na PEC da Imunidade: ‘Fui boi de piranha’

Renata Mariz
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) reclamou de parlamentares da base do governo de Jair Bolsonaro que na semana passada votaram pela sua prisão e, ontem, pela aprovação da chamada PEC da Imunidade. O texto, se já estivesse em vigor, impediria sua prisão, determinada na semana passada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A reclamação é direcionada principalmente a deputados do Centrão, grupo que tem conquistado cada vez mais espaço no Planalto.

Segundo interlocutores que o visitaram na prisão, Silveira, que se sente abandonado, afirmou que foi usado como “boi de piranha” para apaziguar a relação entre Congresso e STF. Para Silveira, foi incoerente o plenário da Câmara decidir por 364 votos mantê-lo preso e, na semana seguinte, aprovar “às pressas” por 304 votos as mudanças na Constituição que o protegeriam. Ele avalia que a Câmara, que conta com 513 deputados, estaria atuando para se proteger, mas não para protegê-lo.

Silveira também se mostrou desesperançoso com a possibilidade de conseguir algum habeas corpus para deixar a prisão. De acordo com ele, como Câmara e STF já consideraram sua prisão legal, não há nenhum aspecto jurídico que possa ser usado por sua defesa. Hoje, a principal esperança demonstrada pelo deputado é de que sua prisão seja transformada em domiciliar.

Por considerar sua prisão ilegal, Silveira, que é ex-policial militar, tem afirmado reiteradamente que é um “preso político” e tem chamado o batalhão prisional onde está encarcerado no Rio de Janeiro de Guantánamo, prisão militar gerida pelos Estados Unidos em solo cubano famosa por receber prisioneiros sem acusação formada, sem processo constituído e, portanto, sem direito a julgamento.