Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +0,38 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.782,80
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    66.000,43
    +1.876,89 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.354,00
    -23,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5196
    0,0000 (0,00%)
     

Sentimento da zona do euro melhora em setembro

·1 minuto de leitura
Consumidores carregam sacolas com compras em rua de Munique, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - O sentimento econômico da zona do euro avançou em setembro depois de queda em agosto, impulsionado pelo otimismo entre os consumidores e nos setores industrial e de construção, enquanto as expectativas de inflação continuaram a subir entre a indústria e os consumidores.

O indicador de sentimento econômico da Comissão Europeia subiu a 117,8 em setembro, ante 117,6 em agosto, depois de atingir máxima de 119,0 em julho.

Economistas consultados pela Reuters esperavam recuo do sentimento a 116,9 em julho, devido principalmente a um esperado enfraquecimento na indústria e em serviços.

Mas os dados da Comissão mostraram que o sentimento na indústria melhorou a 14,1, de 13,8 em agosto, embora tenha caído em serviços a 15,1, de 16,8.

Os consumidores mostraram maior otimismo também com uma leitura de -4,0, contra -5,3 em agosto, e no setor de construção o indicador foi a 7,5, de 5,5, ajudando a compensar a queda no setor de varejo para 1,3, ante 4,6.

A recuperação econômica depois da pandemia de Covid-19 e o rápido aumento dos preços de energia também provocaram aumento nas expectativas de inflação entre consumidores e indústria.

As expectativas para os preços de venda na indústria subiram a 38,2 pontos, nova máxima recorde na história da pesquisa iniciada em 2000, enquanto as expectativas de inflação dos consumidores foram a 33,1 de 31,1 em agosto, aproximando-se do recorde de 38,7 de agosto de 2001.

(Reportagem de Jan Strupczewski)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos