Mercado abrirá em 1 h 36 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,98
    +2,80 (+4,23%)
     
  • OURO

    1.786,10
    +9,60 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    57.123,07
    +424,98 (+0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,26
    +28,48 (+1,97%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.155,87
    +96,42 (+1,37%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.366,50
    +216,00 (+1,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3961
    +0,0261 (+0,41%)
     

Senador por 30 anos, Pedro Simon avalia ser 'difícil' a terceira via 'ter unidade para 2022'

·2 min de leitura

RIO — Senador por mais de três décadas, até decidir se aposentar da carreira política em 2014, Pedro Simon, hoje com 91 anos, se diz “angustiado” com a “radicalização” no cenário eleitoral, representada, na sua avaliação, pelas candidaturas do presidente Jair Bolsonaro e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ao GLOBO, o experiente ex-parlamentar classifica como difícil uma articulação que garanta a unidade da chamada terceira via, campo que reúne partidos de centro e se coloca como alternativa à polarização.

Estamos a menos de um ano da eleição de 2022. Como o senhor vê a disputa?

Estou angustiado com a radicalização entre Lula e Bolsonaro e preocupado se teremos um pleito normal. Eu me pergunto se não é hora de buscarmos um encaminhamento tranquilo, sereno e responsável. Aqueles que têm preocupação com a busca do bem comum têm que estar presentes para encontrarmos um entendimento. Estamos em uma época cruel. Já vivemos uma ditadura, na qual a imprensa não podia se manifestar. Hoje, é o contrário: há tanta informação e desinformação, uma avalanche de ideias e propostas controvertidas, que ficamos incapazes de saber o que fazer. Os que têm bom senso têm que estar presentes. Não é possível a maioria ficar silenciosa.

A polarização entre Bolsonaro e Lula é uma constante, segundo as pesquisas . O que explica esse cenário?

O Lula é um candidato que tem uma história, e Bolsonaro é o atual presidente. Fora isso, há ainda muita indefinição entre os partidos políticos. São 30 partidos, mas poucos têm representatividade. A maioria é sem conteúdo, sem ideias. O PSDB, por exemplo, vai no caminho certo ao debater internamente uma candidatura com as prévias.

Haverá unidade na chamada terceira via?

É muito difícil. O MDB, que é um grande partido, ainda não tomou uma decisão, mas na minha opinião deve ter um candidato. Não sabemos como serão feitas as coligações. Um fato novo que apareceu é a possibilidade de uma coligação permanente (federação), o que seria interessante.

Na entrevista completa, só para assinantes, Simon avalia o papel da CPI da Covid e se ainda acredita que a 'democracia vai bem' com Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos