Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.003,63
    +1.125,10 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.982,69
    +307,86 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,77
    +0,49 (+1,08%)
     
  • OURO

    1.844,20
    +14,00 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    19.393,58
    +444,68 (+2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,09
    +6,68 (+1,79%)
     
  • S&P500

    3.679,40
    +10,39 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    30.067,87
    +184,08 (+0,62%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.499,00
    +44,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2311
    -0,0887 (-1,40%)
     

Senado vota indicação de Trump à Suprema Corte nesta segunda

·2 minuto de leitura
Juíza Amy Coney Barrett no Senado dos Estados Unidos, em 13 de outubro de 2020, em Washington
Juíza Amy Coney Barrett no Senado dos Estados Unidos, em 13 de outubro de 2020, em Washington

O Senado dos Estados Unidos decidirá na segunda-feira, oito dias antes da eleição presidencial, sobre a candidatura da juíza Amy Coney Barrett, indicada por Donald Trump para a Suprema Corte, anunciou o presidente da Câmara alta do Congresso nesta terça-feira (20).

"Votaremos para confirmar a juíza Barrett na próxima segunda-feira", disse o senador republicano Mitch McConnell em um encontro com a imprensa.

"Penso que será mais uma grande conquista em nosso esforço de colocar nos tribunais federais homens e mulheres que acreditam na singular noção de que talvez o trabalho de um juiz seja realmente cumprir a lei", acrescentou.

A magistrada conservadora de 48 anos foi nomeada em 26 de setembro pelo presidente republicano para suceder o ícone progressista e feminista Ruth Bader Ginsburg, que morreu oito dias antes.

Apesar da oposição dos democratas, que queriam esperar passar a eleição de 3 de novembro, Donald Trump e seus aliados republicanos aceleraram o processo para obter o aval do Senado, obrigatório pela Constituição, antes da votação.

A juíza Barrett foi ouvida na semana passada durante três dias pela comissão judicial do Senado.

A proeminente jurista, que compareceu à audiência acompanhada por seis de seus sete filhos, reconheceu que sua fé católica desempenha um papel importante em sua vida, mas jurou mantê-la separada de seu trabalho como juíza.

Durante uma bateria de perguntas cordial, mas intensa, Barrett, no entanto, se recusou a revelar suas posições sobre vários temas controversos, começando pelo direito ao aborto.

A comissão jurídica deve se reunir novamente na quinta-feira para realizar um primeiro processo de votação que permitirá no dia seguinte dar início aos debates em plenário. Várias etapas ainda serão necessárias antes da votação final na segunda-feira.

Considerando a maioria republicana no Senado (com 53 cadeiras de 100), mesmo com as deserções anunciadas de duas senadoras republicanas, Barrett tem sua confirmação praticamente garantida.

Ela poderia tomar posse imediatamente em seguida e ingressar na mais alta corte dos Estados Unidos na véspera das eleições.

chp/la/rs/mls/ic/mvv