Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,41
    -0,56 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.749,70
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    47.227,67
    -717,75 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.180,43
    -45,10 (-3,68%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.211,04
    -709,72 (-2,85%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.288,75
    -37,25 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1906
    -0,0088 (-0,14%)
     

Senado susta resolução que limitava contribuição de estatais a planos de saúde de empregados

·2 minuto de leitura
Prédio da Petrobras no Rio de Janeiro

Por Maria Carolina Marcello e Marta Nogueira

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Senado aprovou nesta quarta-feira projeto de decreto legislativo que susta uma resolução do Executivo que limitava as contribuições de empresas estatais a planos de saúde dos funcionários.

A medida, que revoga as regras sobre contribuições menores de estatais, atinge em cheio empresas como a Petrobras e bancos públicos, que valiam-se da resolução para reduzir o pagamento de benefícios aos empregados.

Editada em 2018 pelo então Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a resolução sustada agora limitava a contribuição das empresas estatais aos planos de saúde dos empregados organizados no formato de autogestão.

Para o relator da proposta, senador Romário (PL-RJ), no entanto, a resolução é ilegal e inconstitucional por "restringir indevidamente o direito dos empregados à saúde e por violar direitos adquiridos dos trabalhadores à manutenção das condições do contrato de trabalho".

"O pessoal das empresas estatais é regido pela Consolidação das Leis do Trabalho; nesse contexto... o vínculo entre o trabalhador e a empresa é de natureza contratual, logo, as condições não podem ser alteradas unilateralmente pelo empregador", disse Romário, no parecer.

No caso da Petrobras, a resolução pôde reduzir o custeio do plano de saúde dos empregados e possibilitou à empresa um ganho de 13 bilhões de reais no lucro do quarto trimestre de 2020, levando-se em conta, também, pagamentos futuros. A decisão do Senado desta quarta pode forçar a empresa a reverter parte do lucro.

A participação da Petrobras no plano de saúde dos empregados no ano passado era de 70%. Passou a 60% neste ano, patamar que seria reduzido para 50% a partir de janeiro de 2022. Há um acordo entre a empresa e entidades sindicais de manutenção dos atuais 60% caso a resolução fosse revogada até um novo ajuste entre as partes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos