Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.265,98
    -6,43 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Senado rejeita proposta para fatiar PEC que prevê pagamento do auxílio emergencial

Paulo Capelli
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O plenário do Senado rejeitou uma proposta do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) para fatiar a PEC do Auxílio Emergencial, o que regimentalmente é chamado de "proposta autônoma". O requerimento do senador pedia que o trecho da PEC que trata do auxílio fosse votado em separado, sem relação com a parte que trata das medidas de ajuste fiscal, que seria apreciada posteriormente pelo Senado.

Por 49 votos a 25, o plenário do Senado rejeitou a proposta de Vieira e optou por votar os dois assuntos de forma conjunta. A apreciação foi feita antes da votação do texto-base da PEC, que, para ser aprovado, precisará de 49 votos.

- O requerimento não deve ser entendido como batalha entre oposição e governo. O que solicitamos não é que se jogue fora o pacote de protocolo fiscal, mas que seja feito com mais calma. É impossível avaliar tema tão extenso em tempo estreito - argumentou Vieira, antes da votação, afirmando que auxílio emergencial e medidas de ajuste fiscal não deveriam se misturar.

Com a rejeição pelo fatiamento, a liberação do auxílio e as medidas de ajuste serão votadas simultaneamente. A previsão é que o texto base, que prevê gastos de até R$ 44 bilhões, seja votado nesta quarta-feira.