Mercado fechará em 5 h 6 min
  • BOVESPA

    108.646,73
    +633,26 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,46
    -0,50 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.845,00
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    42.423,73
    +273,79 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,07
    +13,32 (+1,34%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.575,42
    -14,24 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.181,00
    +147,50 (+0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1363
    -0,0311 (-0,50%)
     

Senado rejeita a indicação para CNMP de juiz que atuou na Lava-Jato

·1 min de leitura

BRASÍLIA — O Senado rejeitou nessa quarta-feira o nome do juiz Paulo Marcos de Farias para compor o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Indicado pelo Supremo Tribunal Federal, Farias não conseguiu os 41 votos necessários para sua aprovação.

A indicação de Paulo Marcos de Farias recebeu 36 votos favoráveis dos senadores e 27 votos contrários, além de três abstenções em Plenário. Paulo Marcos de Farias trabalhou como juiz instrutor em processos envolvendo a Lava Jato. Atualmente, é auxiliar de gabinete do ministro Edson Fachin.

Confira: Michelle Bolsonaro, Damares e parlamentares evangélicos vão ao Senado comemorar aprovação de Mendonça ao STF

Em março de 2020, Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) havia aprovado o nome do juiz para ocupar o CNMP. Na época, os parlamentares Jorginho Mello (PL-SC), Dário Berger (MDB-SC) e Mecias de Jesus (Republicanos-RR) defenderam a nomeação de Farias.

Mais cedo, o ex-advogado Geral da União e ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, André Mendonça, foi aprovado no Congresso para ser o novo ministro do Supremo Tribunal Federal no lugar de Marco Aurélio Mello, aposentado em julho. Por 47 votos a 32, a indicação de Bolsonaro foi aceita no Congresso.

No início da sabatina, Mendonça se antecipou a temas polêmicos do seu histórico e se posicionou sobre os pontos mais criticados pelos parlamentares, como a atuação com base na Lei da Segurança Nacional e a afinidade com a Operação Lava-Jato.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos