Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.843,55
    +117,20 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Senado prorroga reembolso de passagem aérea e projeto vai à sanção

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Senadores aprovaram nesta quarta-feira (26) a medida provisória que estende até 31 de dezembro de 2021 o prazo para consumidores pedirem o reembolso ou remarcarem as passagens aéreas de voos cancelados durante a pandemia de Covid-19. O texto vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com a proposta, o passageiro que desistir da viagem poderá receber crédito ou o dinheiro de volta, arcando com as penalidades do contrato.

A medida foi aprovada nesta terça-feira (25) na Câmara dos Deputados e não foi alterada pelo relator da matéria no Senado, Antonio Anastasia (PSD-MG). Caso não fosse aprovada, a MP perderia a validade em 1° de junho.

"Ao contrário do que se imaginava que aconteceria neste ano, as alterações de hábitos impostas pela necessidade de isolamento social continuam a deprimir a demanda por viagens", argumentou Anastasia.

"A redução da incerteza sobre a possibilidade de remarcação dos voos ajuda, em parte, a mitigar esse problema", disse.

A MP muda uma lei aprovada no ano passado sobre medidas emergenciais para a aviação civil em decorrência da pandemia de Covid-19.

Com a alteração, fica previsto que o reembolso do valor da passagem aérea devido ao consumidor por cancelamento de voo entre 19 de março de 2020 e 31 de dezembro deste ano será realizado pela companhia aérea em 12 meses, a partir da data do voo cancelado.

Antes, o prazo terminava em 31 de dezembro de 2020.

O valor deverá ser corrigido pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e, quando cabível, a companhia deverá prestar assistência material, como lanches, telefonemas e pernoite, de acordo regulamentação já existente da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Porém, se solicitar o reembolso, o consumidor ficará sujeito ao pagamento de penalidades previstas no contrato. Se optar por obter crédito no valor correspondente ao da passagem aérea, não haverá incidência de penalidades contratuais.

O crédito poderá ser usado pelo consumidor ou terceiro para a aquisição de produtos ou serviços oferecidos pela companhia aérea em até 18 meses a partir do recebimento.

A MP muda outro dispositivo para prever que o direito ao reembolso, ao crédito, à reacomodação ou à remarcação do voo independe do meio de pagamento usado para a compra da passagem -incluindo uso de milhas ou pontos, por exemplo- e deve ser negociado entre consumidor e a companhia aérea.

O texto também permite que as concessionárias de aeroportos antecipem o pagamento das contribuições fixas ao Fnac (Fundo Nacional de Aviação Civil).

Segundo estimativa do relator do texto na Câmara, Delegado Pablo (PSL-AM), o governo poderá ter uma receita extraordinária de aproximadamente R$ 8 bilhões em 2021 via Fnac.