Mercado fechará em 19 mins
  • BOVESPA

    106.850,13
    -77,66 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.189,94
    +445,02 (+0,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,37
    +0,55 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.818,70
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    42.063,35
    -1.021,92 (-2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.009,19
    -16,54 (-1,61%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.611,23
    +68,28 (+0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.218,03
    -165,29 (-0,68%)
     
  • NIKKEI

    28.333,52
    +209,24 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    15.559,25
    -36,50 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2986
    -0,0188 (-0,30%)
     

Senado deve avaliar pensão de R$ 1,1 mil a sequelados da Covid

·1 min de leitura
Pessoa em cama de hospital
Caso o projeto seja aprovado, o cidadão precisa apresentar impossibilidade permanente ou temporária de trabalhar por conta das sequelas da Covid-19 e ter renda familiar per capita de até um salário mínimo

(Getty Images)

  • Senado deve avaliar hoje pensão especial a sequelados da Covid-19

  • Benefício seria de R$ 1,1 mil mensais 

  • Texto é de autoria de Rogério Carvalho (PT-SE)

O Senado deve avaliar, nesta segunda-feira (29), um projeto de lei que propõe o pagamento de um auxílio especial a pessoas que ficaram com sequelas por conta da Covid-19. O valor pago mensalmente seria o de um salário mínimo, de R$ 1,1 mil, com caráter indenizatório.

O texto é de autoria do senador Rogério Carvalho (PT-SE), que justifica que a pandemia comprometeu significativamente a qualidade de vida de diversos brasileiros e que é dever do Estado “proteger os afligidos de baixa renda”.

Leia também:

Para receber o auxílio, caso aprovado, o cidadão precisa apresentar impossibilidade permanente ou temporária de trabalhar por conta das sequelas da Covid-19 e ter renda familiar per capita de até um salário mínimo.

Um perito médico federal deve conduzir o exame pericial, realizado periodicamente para a manutenção do benefício. De acordo com a proposta, o requerimento da pensão deve ser feito perante o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Caso seja aprovado, o projeto de lei determina o prazo de 60 dias para o INSS e a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) adotarem as medidas necessárias para a operacionalização da pensão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos