Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.346,49
    +1.240,64 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

Senado da Argentina aprova imposto extraordinário sobre grandes fortunas

SYLVIA COLOMBO
·2 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O Senado argentino aprovou, na noite de sexta-feira (4), o que ficou conhecido como "imposto de grandes fortunas", mas que se trata de uma taxa extraordinária, com recolhimento único. Pelas estimativas do governo, a taxa terá de ser paga por 12 mil contribuintes que têm um patrimônio declarado superior as 200 milhões de pesos argentinos (ou R$ 12,6 milhões, pelo câmbio oficial). A lei entra em vigor em janeiro. O ex-presidente Mauricio Macri, um dos empresários mais ricos do país, afirmou que se trata de uma "medida confiscatória". O deputado peronista Carlos Heller, que redigiu o projeto, afirmou que "a taxação se aplicará a apenas 0,8% dos contribuintes e que isso está longe de afetar a atividade produtiva do país". As alíquotas da taxa extraordinária serão progressivas. O percentual mínimo será de 2% do patrimônio. Está previsto um teto de 3,5% para fortunas superiores a 3 bilhões de pesos (R$ 190 milhões, pelo câmbio oficial). O objetivo do governo é arrecadar 300 bilhões de pesos (R$ 19 bilhões de reais) para amenizar o impacto da pandemia do coronavírus na economia argentina. Em dezembro, o governo deixará de pagar o IFE (Ingresso Familiar de Emergência), benefício que vem sido distribuído a famílias de baixa renda desde o começo das medidas de quarentena. O país já possui mais de 300 mil novos desempregados, mesmo com o decreto que veta a demissão na pandemia. Muitos pequenos e médios negócios, porém, faliram, e o número de pessoas sem emprego vem aumentando. A taxa de desemprego atualmente é de 14%. Para manter o IFE e outros benefícios, o país realizou grande emissão monetária, pressionando a dívida pública. A inflação avança e acumula alta de 40% no ano. O PIB (Produto Interno Bruto) deve registrar em 2020 uma retraço de 12,9%, segundo a mais recente projeção da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Na sexta-feira (5), também foi divulgado uma atualização dos dados sobre desigualdade, destacando que 44,2% da população vive na pobreza. Pela métrica do Indec (entidade semelhante ao IBGE brasileiro), são considerados pobres quem não tem ganho suficiente para comprar a cesta básica argentina. O governo diz que o imposto é necessário para garantir subsídios e outros auxílios para essas famílias, bem como conceder crédito a pequenas e médias empresas com dificuldades de sobreviver durante a pandemia. O imposto às grandes fortunas foi aprovado por 42 votos a favor e 26 contra. Deve atingir um total de 12 mil pessoas. A oposição fez críticas. "Esta não é a melhor resposta à realidade argentina", disse Luis Naidenoff, líder da oposição no Senado. Ele defende mais investimento que possam abrir espaço para a criação de empregos e fortalecimento da infraestrutura argentina e criticou a imensa emissão monetária que vem complicando a situação macroeconômica.