Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.394,57
    +681,21 (+1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Senado confirma Katherine Tai como máxima representante comercial dos EUA

·1 minuto de leitura
O Senado votou por unanimidade a favor de que Katherine Tai ocupe o cargo de representante comercial dos Estados Unidos

O Senado dos Estados Unidos confirmou nesta quarta-feira (17) Katherine Tai como a principal negociadora e representante comercial na equipe do presidente Joe Biden.

A votação foi unânime (98-0), um raro exemplo de unidade na polarizada política em Washington.

Advogada especializada em comércio, que trabalhou como assessora legislativa durante anos, Tai assumirá o cargo de representante comercial dos Estados Unidos com o compromisso de reparar as relações comerciais com os aliados americanos, desgastadas pelas políticas de linha dura do ex-presidente Donald Trump.

Mas em suas audiências de confirmação, ela também defendeu o uso de tarifas alfandegárias como uma ferramenta valiosa de negociação e prometeu aplicar estritamente os acordos comerciais existentes, inclusive com a China.

Filha de pais taiwaneses, Tai assegurou que vai trabalhar para garantir que a China cumpra seus compromissos do acordo comercial assinado em janeiro de 2020 entre Pequim e Washington, após uma guerra alfandegária bilateral.

No entanto, disse ser partidária de uma "revisão integral sobre a China" e da estratégia dos Estados Unidos com relação ao país asiático.

Tai manifestou, ainda, o desejo de pôr fim ao velho conflito entre os Estados Unidos e a União Europeia sobre os subsídios ao setor aeronáutico, que se traduziram em tarifas alfandegárias recíprocas.

Por outro lado, ela destacou a necessidade de reformar a Organização Mundial do Comércio, uma instituição da qual os Estados Unidos foram membros fundadores, mas foi duramente atingida pelo governo Trump.

A funcionária também vigiará a aplicação do acordo comercial Estados Unidos-México-Canadá, que ajudou a renegociar em 2019.

hs/bgs/st/yo/dga/mvv