Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.474,81
    +565,20 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.093,18
    +919,12 (+1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,61
    +2,41 (+3,08%)
     
  • OURO

    1.782,40
    +18,70 (+1,06%)
     
  • BTC-USD

    17.048,37
    +576,54 (+3,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,86
    +4,17 (+1,04%)
     
  • S&P500

    4.052,63
    +95,00 (+2,40%)
     
  • DOW JONES

    34.375,34
    +522,81 (+1,54%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.914,00
    +389,25 (+3,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4058
    -0,0508 (-0,93%)
     

Senado argentino discute acordo com FMI; mercado sobe

Polícia faz segurança do Congresso Nacional argentindo enquanto o Senado discute acordo do governo com o FMI, em Buenos Aires

BUENOS AIRES (Reuters) - O Senado argentino debate nesta quinta-feira o acordo fechado pelo governo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para reestruturar uma dívida de 45 bilhões de dólares, com a qual o país busca deixar para trás uma grande crise financeira.

O acordo que o governo de centro-esquerda alcançou com o organismo no início de março foi aprovado na semana passada pela Câmara dos Deputados e para que possa se tornar lei precisa passar pelo crivo dos senadores, em sessão marcada para a noite desta quinta-feira.

"Este acordo nos permitirá acumular reservas, o que favorecerá as trocas da Argentina com o mundo e permitirá um crescimento sustentado", disse a senadora Sandra Mendoza, da coalizão governista Frente de Todos, durante o debate na Câmara Alta.

Espera-se que o projeto seja aprovado, já que conta com respaldo de um amplo setor da oposição de centro-direita, embora um racha por parte de alguns parlamentares do partido da situação coloque algumas dúvidas sobre o resultado da votação.

O mercado argentino operou em modo positivo no dia. O índice S&P Merval subiu 2,51%, e o risco-país medido pelo JPMorgan caiu 18 pontos básicos, para 1.762 pontos básicos.

(Por Nicolás Misculin e Walter Bianchi; com reportagem adicional de Lucila Sigal e Eliana Raszewski)