Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.865,16
    +1.409,25 (+4,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Senado aprova proposta que inclui grávidas, puérperas e lactantes em grupo prioritário da vacina contra a Covid-19

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Senado aprovou nesta terça-feira o projeto de lei que dá prioridade a gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias pós-parto) e lactantes (mães que amamentam) para receberem a vacina contra a Covid-19. O texto inclui, ainda, jovens de até 18 anos com deficiência, comorbidade ou em privação de liberdade.

Aprovado em votação simbólica, a proposta de autoria do senador Jean Paul Prates (PT-RN) segue para a Câmara dos Deputados. A relatora, Zenaide Maia (Pros-RN), argumenta que uma vacina pode ajudar a imunizar duas pessoas:

— São inúmeros os estudos que demonstram a transferência passiva da imunidade humoral da mãe para o bebê em diversas infecções virais, e a Covid-19 não é uma exceção. Já foram detectados anticorpos contra o novo coronavírus no leite materno de lactantes vacinadas e daquelas convalescentes da doença, ou seja, com a vacinação da mãe obtemos também a proteção imunológica da criança ao mesmo tempo.

O projeto, que originalmente só contemplava mulheres, inseriu crianças e adolescentes a partir de emenda apresentada pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES). Nesse caso, a medida dependerá do registro ou da aprovação de uso emergencial de imunizantes para menores de idade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Até o momento, só a Pfizer detém essa autorização no Brasil, com idade a partir dos 12 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos