Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.647,79
    -4.514,18 (-7,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Senado aprova projeto que institui sistema de cobrança de pedágio por km percorrido

RENATO MACHADO
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Senado aprovou na noite desta quarta-feira (10) projeto de lei que prevê novas regras para os pedágios nas rodovias, determinando uma cobrança proporcional à quilometragem percorrida. Os senadores, no entanto, alteraram o texto que havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados. Por isso o projeto de lei precisa ser novamente votado naquela Casa legislativa. A proposta original do projeto -apresentado em 2011 pelo atual senador Esperidião Amin (PP-SC) quando deputado federal- previa apenas a isenção para moradores de determinado município ou que nele exercesse atividade econômica, que precisassem atravessar uma praça de pedágio próxima, mas passou por mudanças significativas. O texto aprovado pelos senadores prevê condições para a implantação de um sistema de cobrança que não conta com as praças de cobrança de pedágio, com livre passagem, também conhecido por "free-flow". A identificação dos veículos se dá por um sistema de identificação eletrônico, que consegue verificar quantos quilômetros da rodovia foi percorrido por determinado veículo. A cobrança então é feita com base nessas informações. Atualmente, a cobrança é com base em um valor fixo, que varia conforme o tipo de veículo. O projeto estabelece um prazo de 180 dias para que o Poder Executivo regulamente a medida. "Esse modelo já é usado em mais de 20 países e permite pagamentos mais justos, uma vez que sua cobrança se dá pelo uso proporcional da via, ou seja, os motoristas pagarão apenas por quilômetro percorrido em cada rodovia brasileira", afirmou o relator Jayme Campos (DEM-MT). "No free-flow, a tecnologia substitui as atuais praças de pedágio combinado com o uso de radiofrequência e gravação de imagem para registrar a passagem de veículos pelas vias", completou. Campos também afirma que o sistema free-flow trará outros benefícios, como a redução de congestionamentos, valores tarifários mais baratos, menor custo de investimentos e redução de gases poluentes. "Todas as medidas propostas pelo nosso substitutivo, construídas em conjunto com o Ministério da Infraestrutura e o senador Esperidião Amin, buscam garantir um maior equilíbrio econômico-financeiro por meio de um sistema justo, acessível e moderno", completou. Os senadores rejeitaram um destaque ao texto que incluiria a suspensão da cobrança de caminhoneiros, transportadores autônomos ou cooperadores de carga, durante a pandemia do novo coronavírus. A iniciativa acabou rejeitada por 40 votos, contra 31.