Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.581,98
    -219,23 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.141,76
    -53,67 (-0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,20
    +1,05 (+1,54%)
     
  • OURO

    1.802,70
    -7,80 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    40.964,86
    +1.268,12 (+3,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.007,04
    +31,15 (+3,19%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,58 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.156,75
    +83,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1718
    +0,0535 (+0,87%)
     

Senado aprova projeto que autoriza produção de vacinas contra Covid em fábricas veterinárias

·1 minuto de leitura
Vacinação contra Covid-19

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O Senado aprovou nesta quarta-feira projeto que autoriza a fabricação de vacinas contra a Covid-19 para a imunização humana em plantas industriais de medicamentos veterinários.

A proposta, que sofreu alterações em sua tramitação na Câmara, foi chancelada pelo Senado em uma segunda análise nesta quarta-feira e segue à sanção presidencial.

"Sem dúvidas, esse é um dos projetos mais importantes para o Brasil porque abre a possibilidade de acabar com a dependência que hoje temos da China e da Índia para produzirmos as vacinas em quantidade suficiente para atender a população brasileira", comemorou o autor do projeto, senador Wellington Fagundes (PL-MT).

De acordo com o texto aprovado, as instalações interessadas na produção de vacinas humanas contra a Covid deverão ter um processo de gerenciamento de risco para evitar a contaminação cruzada.

Os estabelecimentos veterinários interessados na produção deverão se submeter à autorização, normatização, controle e fiscalização da autoridade sanitária federal responsável pela vigilância sanitária.

Texto anteriormente editado por senadores determinava que a agência sanitária deveria emitir decisão sobre a autorização no prazo máximo de sete dias, mas esse trecho foi alterado na Câmara para prever que os pedidos de autorização desses estabelecimentos deverão ser priorizados, sem um prazo específico.

A ausência de um prazo para a manifestação da autoridade sanitária foi mantida no projeto na votação desta quarta no Senado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos