Mercado fechará em 5 h 42 min
  • BOVESPA

    100.812,79
    +38,22 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,73
    +0,16 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.780,90
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    56.659,51
    -621,85 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.443,75
    -25,33 (-1,72%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.107,88
    -60,80 (-0,85%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.881,00
    +11,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3918
    -0,0550 (-0,85%)
     

Senado aprova PEC que garante renda básica à população pobre

·3 min de leitura
***ARQUIVO***BELO HORIZONTE, MG, 28.07.2018 - O senador Antônio Anastasia (PSD-MG). (Foto: Alexandre Rezende/Folhapress)
***ARQUIVO***BELO HORIZONTE, MG, 28.07.2018 - O senador Antônio Anastasia (PSD-MG). (Foto: Alexandre Rezende/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Por unanimidade, o Senado aprovou nesta terça-feira (9) uma PEC (proposta de emenda à Constituição) que inclui a renda básica para pessoas de baixa renda como direito social. O texto segue para a Câmara, onde precisará do apoio de 308 deputados.

Se promulgada, programas como o Auxílio Brasil, que substituirá o Bolsa Família, se tornarão política de Estado, não mais de governo. Com isso, eles não poderão ser extintos.

"Seja o Bolsa Família, o Auxílio Brasil, ou outro novo benefício a ser criado, haverá o mesmo status que hoje possuem políticas consagradas como o seguro-desemprego, o Benefício de Prestação Continuada, o abono salarial, as aposentadorias e as pensões", explicou o relator, Antonio Anastasia (PSD-MG).

O senador também argumentou que a alteração vai resultar em mais segurança para quem recebe o benefício e evitar que o programa seja usado com finalidades eleitorais.

"Os beneficiários estarão mais seguros quanto aos seus direitos, e boatos ou rumores quanto aos benefícios, que tanto já prejudicaram a vida dos que recebiam o Bolsa Família, hão de acabar. O novo status das transferências de renda dará maior força para este tipo de política que, em momentos de ajuste fiscal, acaba competindo por recursos com gastos decorrentes da Constituição", disse.

A aprovação da PEC pelos senadores ocorre após o fim do auxílio emergencial e em um momento de mudanças no principal programa social do país. De acordo com uma MP (medida provisória) publicada pelo governo em agosto, a lei de 2004 que criou o Bolsa Família deixa de valer nesta quarta-feira (10).

No lugar, é instituído o Auxílio Brasil, que tem provocado incertezas entre especialistas sobre a forma de financiamento e os possíveis riscos fiscais.

Na noite de segunda-feira (8), o governo editou o decreto que regulamenta e traz os detalhes dos benefícios do novo programa, que passa a valer neste mês. Os valores consideram reajuste de menos de 20% em relação ao Bolsa Família, anunciado anteriormente. Também não ficou claro como será possível elevar o patamar médio do benefício a R$ 400 até o fim de 2022.

O texto inicial da PEC, apresentado pelo senador Eduardo Braga (MDB-AM) em 2020, estabelecia que as despesas relativas ao programa renda básica ficassem fora das regras do teto de gastos. O relator, porém, retirou essa previsão do texto para evitar "contenda e prejudicar o necessário andamento célere desta proposta".

O PT apresentou um destaque para tentar manter o artigo, mas não teve o apoio da maioria.

"Este programa só se materializa, só terá vida, se nós o retirarmos do teto de gastos para garantir que essa renda possa se viabilizar. O teto de gastos não pode ser uma âncora tão pesada que gere sofrimento e dificuldades ao povo brasileiro", argumentou o senador Rogério Carvalho (PT-SE).

A PEC dos Precatórios, que tramita na Câmara, já dribla o teto de gastos para viabilizar a promessa de Bolsonaro de elevar para R$ 400 mensais o valor transferido pelo Auxílio Brasil.

Pelo texto, a Constituição será alterada para que o teto anual de despesas federais passe a ser corrigido pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumulado em 12 meses de janeiro a dezembro.

Atualmente, o período usado para calcular o limite anual considera o IPCA acumulado em 12 meses até junho do ano anterior.

Além disso, a PEC determina um limite para pagamento de precatórios (dívidas da União reconhecidas pela Justiça), o que libera mais espaço no Orçamento.

As duas mudanças previstas na PEC -envolvendo o teto de gastos e os precatórios- têm potencial de abrir uma folga superior a R$ 90 bilhões no próximo ano, o que deve garantir recursos para o novo programa social do governo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos