Mercado fechará em 41 mins
  • BOVESPA

    105.881,89
    -4.904,54 (-4,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.942,84
    -355,36 (-0,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,11
    -1,31 (-1,57%)
     
  • OURO

    1.779,70
    -5,20 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    63.129,30
    -3.515,73 (-5,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.494,07
    -40,58 (-2,64%)
     
  • S&P500

    4.536,46
    +0,27 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    35.489,79
    -119,55 (-0,34%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.416,00
    +38,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6098
    +0,0902 (+1,38%)
     

Senado aprova criação de novo Tribunal Regional Federal, que vai à sanção de Bolsonaro

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - Em votação simbólica, o Senado aprovou ontem a criação de um novo Tribunal Regional Federal (TRF-6) em Minas Gerais. O tribunal ficará encarregado por processos em segunda instância relativos ao Estado de Minas. Atualmente, esses processos correm no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), sediado em Brasília.

O projeto, de autoria do Superior Tribunal de Justiça (STJ), havia sido aprovado pela Câmara em agosto de 2020 e, desde então, tramitava no Senado. O relator, senador Antonio Anastasia (PSD-MG), argumentou que o novo tribunal não traria custos adicionais. No entanto, deputados derrubaram ainda no ano passado uma emenda que impedia aumento de gastos com a criação do TRF-6.

A expectativa é de que o novo tribunal, com sede em Belo Horizonte, gere um efeito cascata com a criação de cargos e aumento de gastos em outros órgãos públicos, em parte por conta do deslocamento de servidores de Ministério Público, Defensoria e Advocacia-Geral da União (AGU), além de custos com estrutura física.

O novo tribunal deve ter 18 juízes e 200 cargos em comissão. Após ser aprovado no Senado, o projeto vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro, que poderá preencher as vagas de magistrados a partir de listas de órgãos do Judiciário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos