Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.037,52
    +1.487,31 (+3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7811
    -0,0048 (-0,07%)
     

Senado americano busca abrir caminho para aprovar plano de ajuda por maioria simples

·1 minuto de leitura
O líder democrata do Senado, Chuck Schumer

O Senado americano realizou nesta terça-feira uma votação técnica para abrir caminho à aprovação por maioria simples do plano de ajuda promovido pelo governo Joe Biden, diante da falta de acordo com a oposição republicana.

"Não iremos diluir ou adiar" a aprovação do plano de emergência de 1,9 trilhão de dólares apresentado por Biden, "porque as necessidades do povo americano são muito grandes", declarou na noite de hoje o líder democrata do Senado, Chuck Schumer.

Biden reuniu-se ontem com um grupo de 10 republicanos, que, temendo a disparada da dívida pública, fizeram uma proposta alternativa de 618 bilhões dólares, dificultando um projeto bipartidário. "Com um montante tão pequeno, ficaríamos presos na crise da Covid por anos", advertiu Schumer.

Com esse marco, o Senado realizou uma votação para abrir caminho à aprovação do plano de ajuda por maioria simples, em vez dos 60 votos em 100 que o procedimento habitual requer. A decisão visando a iniciar o processo de reconciliação orçamentária obteve 50 votos contra 49 (um republicano não votou), o que permitiria uma aprovação rápida do texto, uma vez que o governismo democrata controla 50 cadeiras, assim como os republicanos, mas a vice-presidente, Kamala Harris, desempata.

mlm-jul-hs/yow/lda/lb