Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.000,18
    +66,39 (+0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Sem texto de consenso, comissão da reforma administrativa adia reunião

·1 minuto de leitura
Vista da Esplanada dos Ministérios, em Brasília

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A comissão especial da reforma administrativa na Câmara cancelou a reunião prevista para esta terça-feira e convocou novas tentativas de votação do texto para quarta e quinta, enquanto o relator da proposta, Arthur Oliveira Maia (DEM-BA), trabalha na tentativa de construir um parecer com maiores chances de ser aprovado.

Maia já havia apresentado um relatório, que posteriormente foi modificado. Mas, diante de resistências ao texto, o relator acordou com membros da comissão que iria preparar um terceiro texto, no qual ainda trabalha.

Dentre os pontos que provocaram críticas estão dispositivos que tratam da contratação temporária e de cooperação com o setor privado.

"Nós consideramos que houve alguns avanços importantes, mas insuficientes. Chamo a atenção principalmente para o art. 37-A, que, na prática, vai permitir uma cooperação com o setor privado no serviço público. Isso é um incentivo ao patrimonialismo, pois as instituições privadas vão usar a estrutura do serviço público para se apropriar dos recursos públicos, sendo mais um foco de desvio de recursos públicos no Brasil", disse o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA) em reunião da comissão na semana passada.

Já o vice-líder da Minoria na Casa, José Guimarães (PT-CE), criticou as regras de contratações por um prazo limite de 10 anos.

"Contratações temporárias por 10 anos? Que PEC é essa? Ela preserva o que para a administração pública na prestação dos serviços? Não preserva nada! É a desconstrução de tudo aquilo que foi feito na Constituinte de 1988 pelos chamados Constituintes originários", disse Guimarães.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos