Mercado fechado

Sem receber tratamento, gatos com covid são sacrificados na China

·2 minuto de leitura

Na região norte da China, as autoridades públicas da cidade de Harbin condenaram três gatos à morte, após testarem positivo para covid-19. A medida extremamente rigorosa — e questionável, segundo especialistas — é um exemplo do modelo de tolerância zero adotado em parte do país para conter qualquer surto do coronavírus SARS-CoV-2.

A justificativa para o sacrifício dos animais foi o fato de que, segundo as autoridades locais, não havia tratamento disponível e eles colocariam em perigo o proprietário e outros residentes do complexo de apartamentos em que viviam. Além dos gatos, as autoridades identificaram 75 pessoas diagnosticadas com a doença na região.

Segundo a imprensa local, a proprietária — identificada apenas como Srta. Liu — dos três gatos sacrificados foi uma das que testaram positivo para a covid-19. O diagnóstico foi feito no dia 21 de setembro e, desde então, ela se isolou. Os animais foram deixados com comida e água na residência.

Após diagnóstico da covid-19, gatos são sacrificados na China (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)
Após diagnóstico da covid-19, gatos são sacrificados na China (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)

Nesse intervalo, funcionários da cidade testaram os gatos e, por duas vezes, os animais foram diagnosticados com uma infecção ativa do coronavírus. A proprietária fez um apelo nas redes sociais e a mensagem gerou bastante engajamento, mas os animais foram sacrificados na terça-feira (28).

Existe risco de transmissão da covid-19 de gatos para humanos?

A medida adotada pela cidade chinesa é considerada bastante radical. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, o risco de animais domésticos espalharem o SARS-CoV-2 para as pessoas é "considerado baixo".

Por outro lado, são conhecidos casos de que pessoas transmitiram a infecção para animais em algumas situações, especialmente quando há contato próximo. Inclusive, a orientação da agência norte-americana é de que “pessoas com suspeita ou confirmação da covid-19 devem evitar o contato com animais, incluindo os de estimação, gado e animais silvestres”. O CDC ainda pontua que “no momento, não há evidências de que os animais desempenhem um papel significativo" na disseminação do vírus para as pessoas.

É verdade que “alguns coronavírus que infectam animais podem se espalhar para as pessoas e depois se espalhar entre elas, mas isso é raro. Foi o que aconteceu com o SARS-CoV-2, que provavelmente se originou em morcegos", explica o CDC. Só que faltam evidências de que isso aconteça em relação aos animais domésticos, como gatos ou cães.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos