Mercado abrirá em 6 h 46 min

Sem provas, ex-CEO do Google acusa Huawei de ceder dados ao governo chinês

Rubens Eishima

Em entrevista à BBC, o ex-diretor executivo do Google Eric Schmidt declarou que a Huawei teve “práticas inaceitáveis em termos de segurança nacional”. O executivo afirmou, sem apresentar provas, que dados trafegados por roteadores da empresa foram parar nas mãos do governo chinês.

Procurada pela reportagem da emissora, a Huawei negou as acusações. Vice-presidente da empresa para o Reino Unido, Victor Zhang rebateu a afirmação, destacando que não foram apresentadas evidências e que Eric Schmidt trabalha atualmente para o governo dos Estados Unidos.

Schmidt foi diretor executivo do Google entre 2001 e 2011, deixou o cargo para se tornar presidente do conselho administrativo, cargo que ocupou na empresa e sua sucessora, Alphabet, entre 2011 e 2017. Desde 2016, ele trabalha para o departamento de defesa dos EUA em um comitê de inovação e defesa.

Schmidt foi CEO do Google por 10 anos (imagem: Reuters/reprodução)

Apesar da acusação, o ex-chefão do Google declarou que os países ocidentais deveriam enfrentar a China e suas tecnologias com pesquisa e desenvolvimento, não criando barreiras. O bilionário reconheceu que os chineses têm investido mais dinheiro em setores estratégicos, e que o ocidente deveria fazer o mesmo, estreitando os laços entre a iniciativa pública, privada e os centros de pesquisa.

O executivo admitiu ainda que subestimou a capacidade de inovação dos chineses e reconheceu que via o país com preconceito.

“[A ideia de] que eles são muito bons em copiar coisas, que são bons em organizar coisas, que jogam grandes quantidades de pessoas [para resolver problemas], mas que não são bons em fazer nada novo, que são muito, muito bons em roubar nossas coisas. Esses preconceitos precisam ser revistos”, declarou. “Os chineses são tão bons, e talvez melhores, em áreas chave de pesquisa e inovação quanto o ocidente”, completou Schmidt.

A entrevista completa vai ao ar no documentário “The New Tech Cold War” (A Nova Guerra Fria Tecnológica, em tradução direta), que será transmitido no Reino Unido pela BBC Radio 4.


Fonte: Canaltech