Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.061,98
    +731,03 (+1,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Sem PEC dos Precatórios, só é possível levar Bolsa Família a R$220 este ano, diz Economia

·1 min de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O novo secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, afirmou nesta sexta-feira que, sem a aprovação da PEC dos Precatórios, o governo só consegue atualizar o valor do Bolsa Família neste ano pela inflação, chegando a um benefício de 220 reais.

Hoje, o benefício médio pago pelo programa é de cerca de 190 reais.

Em coletiva de imprensa, Colnago frisou que a PEC é necessária para que o Auxílio Brasil, como foi rebatizado o Bolsa Família pelo governo Jair Bolsonaro, possa ir a 400 reais nos meses de novembro e dezembro, como prometido pelo presidente.

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos