Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.798,29
    +61,98 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Sem medidas de alívio, conta de luz pode subir 13% este ano, diz Aneel

NICOLA PAMPLONA
·4 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) avalia que, sem novas medidas de alívio, a conta de luz dos brasileiros deve subir, em média, 13% em 2021. Por isso, propõe devolver ao consumidor R$ 50 bilhões em créditos tributários em um prazo de até cinco anos. A proposta será discutida em consulta pública e refere-se a decisões judiciais que retiraram o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins incidente na conta de luz. Em 2020, consumidores de Minas Gerais já foram beneficiados pela medida, com a abatimento de R$ 700 milhões. "Estamos buscando medidas para conter a escalada tarifária", disse nesta segunda-feira (8) o diretor-geral da Aneel, André Pepitone. "As nossas áreas técnicas já fazem estimativas e sinalizam que, se nada for feito, o reajuste em 2021, na média, está na casa dos 13%". A pressão sobre as tarifas vem dos impactos da alta do dólar no preço da energia gerada pela hidrelétrica de Itaipu, da escalada da inflação medida pelo IGPM e da seca sobre os reservatórios das hidrelétricas, que obriga o governo a acionar térmicas mais caras. Além disso, a usina de Belo Monte terá que gerar menos energia depois de determinação do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) que restringe a vazão de água para as turbinas geradoras de energia. No domingo, o jornal Folha de S.Paulo publicou reportagem mostrando que só o custo de térmicas a diesel, que estão sendo acionadas para enfrentar a crise, já soma R$ 5,8 bilhões, que terão que ser rateados entre os consumidores de eletricidade. Outro fator de pressão na conta de luz é o início da cobrança de parcelas da chamada conta-Covid, empréstimo concedido às distribuidoras em 2020 com o objetivo de reduzir a pressão sobre as tarifas no pior período da pandemia. Na semana passada, o Senado aprovou a MP (medida provisória) 998, que traz medidas de alívio na conta de luz, como a transferência de um volume de recursos que seriam destinados a pesquisa para abater encargos setoriais cobrados na conta de luz. "A MP buscou dar alívio financeiro no médio e curto prazo, até porque a conta-Covid vai ser amortizada até 2025", disse nesta terça, em entrevista ao site Canal Energia, a secretária-executiva do MME (Ministério de Minas e Energia), Marisete Dadald. Ainda assim, a Aneel avalia que novas medidas são necessárias. A maior pressão sobre as contas de luz ocorre num momento em que os preços dos combustíveis também estão pressionados pela recuperação das cotações internacionais do petróleo. Em janeiro, com a mudança da bandeira tarifária de vermelha, mais cara, para amarela, as tarifas de energia ajudaram a puxar a inflação para baixo. A tendência, porém, é que voltem a ter impacto no índice a partir dos reajustes anuais das distribuidoras, que ocorrem em momentos diferentes em cada estado. Os créditos tributários que a agência quer devolver ao consumidor foram tema de decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) em 2017, que determinou que o ICMS não poderia ser considerado parte do faturamento das distribuidoras. Assim, não há incidência de PIS/Cofins sobre a parcela do faturamento que equivale ao imposto estadual. Das 53 concessionárias de distribuição de energia do país, 49 já ingressaram com ações contra o governo. Segundo a Aneel, entre as ações que já transitaram em julgado, isto é, que não têm mais possibilidade de recurso, R$ 26,5 bilhões já foram habilitados para devolução na Receita Federal. "Os créditos são do consumidor e devem ser usados de modo mais benéfico possível", disse o relator da matéria na Aneel, o diretor Efraim Cruz, ressaltando que o valor pode ser ainda "mais expressivo" do que os R$ 50,1 bilhões calculados até agora. "Sempre defendemos que os créditos fossem usados para amenizar os reajustes das conta de luz", reforçou Pepitone, estimando um impacto anual de 5% sobre a conta de luz, reduzindo o tamanho dos reajustes. Ele afirmou que a Aneel já debate com a Receita Federal e com a Justiça para acelerarem a habilitação dos créditos e decisões judiciais sobre o tema, respectivamente. "Esse crédito vai ser de extrema importância para que a gente consiga manter a modicidade tarifária ao longo de 2021. Pepitone sugeriu também negociações com as concessionárias de transmissão de energia para diferir o pagamento de R$ 3,3 bilhões em ressarcimento de ativos impactados pela MP 579, editada ainda no governo Dilma Rousseff.