Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,78
    -0,71 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.867,00
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    41.007,51
    -3.936,20 (-8,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.143,80
    -109,34 (-8,73%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.972,27
    -434,57 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    13.174,00
    -38,00 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4310
    +0,0009 (+0,01%)
     

Sem máscaras: rave acontece na Inglaterra para investigar transmissão da COVID

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Ainda no meio da pandemia da COVID-19, os aficionados por música eletrônica tiveram um motivo para comemorar e dançar, na última sexta-feira (30), durante uma rave que aconteceu na cidade de Liverpool, na Inglaterra. Surpreendentemente, nenhuma das pessoas presentes usou máscara e esta era uma importante regra do evento organizado para estudar as transmissões da COVID-19.

Para entrar na festa sem máscaras e sem medidas de distanciamento social, as mais de 3 mil pessoas que estiveram no evento precisaram apresentar um resultado negativo para a COVID-19. Agora, o governo britânico deve acompanhar cada um dos presentes como parte de um projeto-piloto para autorizar eventos em massa novamente. As pessoas que testarem positivo nos próximos cinco dias deverão se isolar e terão seus contatos rastreados.

Sem máscaras, rave acontece na Inglaterra para investigar transmissão da COVID-19 (Imagem: Reprodução/Jcomp/Envato Elements)
Sem máscaras, rave acontece na Inglaterra para investigar transmissão da COVID-19 (Imagem: Reprodução/Jcomp/Envato Elements)

Um dos DJs disse, para a BBC, que não acreditava que a festa estava realmente acontecendo e que as pessoas estavam juntas de novo. Enquanto isso, o produtor de eventos Sam Newson realçou a importância do experimento, já que a indústria foi "dizimada" no ano passado, quando não existiam vacinas contra a COVID-19 e o cenário era outro. "As pessoas precisaram mudar — tenho colegas que perderam casas. Tem sido incrivelmente difícil, então tentar fazer com que tudo volte a funcionar é incrivelmente importante", defendeu.

Responsável pela saúde pública de Liverpool, Matt Ashton defendeu que a realização do estudo é "crucial" para a economia local, já que o setor de eventos representa "mais de 40% de nossa produção econômica". Para entender como essa retomada será possível, os cientistas farão análises com base em dados sobre os movimentos dos convidados por diferentes ambientes e a qualidade do ar.

Além dessa festa, outros eventos estão ocorrendo na cidade britânica com a mesma finalidade. Na Alemanha, em setembro do ano passado, um show foi organizado para 1,4 mil voluntários de 18 a 50 anos, a fim de investigar a transmissão do coronavírus, também.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: