Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.021,51
    -1.670,02 (-3,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Sem foco em direitos civis, Biden perde apoio de eleitor negro

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O presidente americano, Joe enfrenta crescente descontentamento entre seus eleitores negros diante da falta de progresso em temas como direito a voto e reforma policial. Essas questões são fundamentais para convencer essa parcela importante do eleitorado a sair de casa para votar em candidatos democratas nas eleições legislativas de 2022.

O foco de Biden em um projeto de lei de infraestrutura, após a aprovação de um pacote de US$ 1,9 trilhão em março para enfrentar as consequências da Covid-19, gera críticas da comunidade afro-americana de que ele não gasta a mesma quantia de capital político nas questões que mais preocupam esses eleitores.

“Ele deu a impressão de que os direitos civis seriam prioridade em seus primeiros 100 dias” no cargo, disse Chinere Wright, 40 anos, cabelereira do salão Philly Cuts na Filadélfia. “Foi o principal fator que nos levou a apoiá-lo. Ele realmente se esforçou para que a gente votasse. Nossos votos o ajudaram a se eleger. Mas não queremos ser usados só para dar votos.”

O índice de aprovação de Biden entre os eleitores negros caiu de 76,8% em 23 de janeiro, três dias depois de assumir o posto, para 63% em uma pesquisa Economist/YouGov realizada pouco antes da saída das tropas americanas do Afeganistão, que diminuiu a aprovação dele por todo o eleitorado, pelo menos temporariamente.

Biden está na Casa Branca há apenas sete meses e tem tempo para reconquistar o público. Ele trabalha por um pacote de US$ 3,5 trilhões que inclui iniciativas bastante populares, como educação infantil universal, faculdade comunitária gratuita e barateamento de moradias. A Câmara de Deputados votou esta semana pelo avanço do pacote, que tem forte apoio da ala progressista do Partido Democrata. A Câmara também aprovou um projeto de lei de direitos de voto batizado em homenagem ao falecido ícone dos direitos civis John Lewis, que dificilmente passará no Senado.

Ainda assim, o presidente não pode se dar ao luxo de perder qualquer apoio de um grupo demográfico essencial para o sucesso de seu partido. Em 2020, 87% dos eleitores negros votaram nele. Qualquer recuo no comparecimento desses eleitores às urnas pode reduzir o número de votos o suficiente para prejudicar os democratas no próximo ano, quando Biden não estiver concorrendo. Isso aumentaria a chance de os democratas perderem o controle do Congresso.

Os negros americanos “estão muito decepcionados e podem não comparecer para votar em novembro de 2022, após terem eleito os democratas para unificar o controle do governo federal”, disse o deputado Mondaire Jones, de Nova York.

Os democratas detêm uma vantagem de três assentos na Câmara. No Senado, os assentos estão igualmente divididos em 50-50, mas a vice-presidente Kamala Harris tem o voto de desempate. Desta forma, o partido tem uma ínfima maioria.

Geralmente, um partido que detém a Casa Branca e o Congresso enfrenta dificuldades nas eleições legislativas intermediárias para manter a maioria.

Biden conquistou a Casa Branca com uma defesa enérgica da igualdade racial nas políticas públicas como forma de tornar a economia mais justa, por meio de programas — incluindo o cuidado de crianças e idosos — que facilitam a rotina das pessoas que desejam trabalhar fora e colocam mais carga tributária sobre os ricos e as grandes empresas.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos