Mercado fechará em 1 h 24 min

Sem dinheiro, ele quase não se formou em Medicina e hoje é dono de uma das maiores franquias de emagrecimento

(Divulgação)

Por Melissa Santos

Filho de um madeireiro, o sonho de Edson Ramuth na infância era se tornar engenheiro nuclear. Foi só no terceiro colegial que veio a ideia de trabalhar com saúde, virar médico e ajudar milhões de pessoas. Mas a princípio, o hoje dono da Emagrecentro não imaginava que ajudaria as pessoas a aumentarem sua autoestima via emagrecimento. “Queria ser homeopata e depois resolvi fazer cirurgia plástica. Terminei a especialização, mas foi na Nutrologia e na Medicina Esportiva que eu me encontrei”, contou Ramuth ao Yahoo.

Mas a grande verdade é que Ramuth quase não conseguiu se formar na época da faculdade por conta das dificuldades financeiras que sua família enfrentava. Primogênito de uma família de quatro irmãos de classe média baixa, faltava seis meses para que ele se formasse quando ele descobriu que seu pai não tinha condições de pagar as últimas mensalidades. “Tudo isso aconteceu na época que a inflação estava altíssima. Mas consegui negociar com o reitor o pagamento das mensalidades restantes e consegui me formar”, conta.

Primeira clínica

Na sequência, Ramuth começou a residência na periferia de São Bernardo do Campo, sem contar que atendia todos os domingos no pronto atendimento de um hospital no Taboão para conseguir se sustentar.

Ele teve a ideia de abrir um centro médico nas áreas de cirurgia, clínica geral e ginecologia na frente do hospital onde tinha muitos pacientes na região do ABC. Foi em 1986 que surgiu a clínica Santa Catarina com a parceria com três amigos da faculdade.

“Tinha pacientes que iam no hospital no dia que sabiam que eu dava plantão, então, surgiu essa ideia de migrar os atendimentos do hospital para a clínica. Montamos o espaço com móveis usados e em dois anos já colhíamos os frutos”, conta Ramuth.

Por fazer especialização na área plástica, Ramuth começou a ter mais contato com tratamentos de estética e emagrecimento e eles logo ganharam espaço na clínica. Com a novidade, o número de pacientes também cresceu. Vários pacientes de São Paulo iam até São Bernardo para receber atendimento.

Foi quando Ramuth viu a chance de expandir suas atividades e abriu outras unidades em bairros cardeais, como Santana, Tatuapé, Vila Mariana e Lapa. Em 1994, o médico comprou a parte de seu sócio e em 1994 filiou-se à ABF (Associação Brasileira de Franchising), montou novas unidades e distribuiu médicos por todas elas.

“No início, a franquia era só voltada para médicos. Eles montavam o espaço e eu mandava os clientes e eles atendiam. Era uma franquia mais simples. Os médicos eram vistos como sócios”, conta.

O negócio permaneceu dessa maneira até 2003, ano em que Ramuth resolveu ampliar o negócio para quem se identificava com o ramo, mesmo sem ser profissional da saúde. “Os médicos não eram bons comerciantes. O crescimento da rede foi lento durante esse período. Depois que promovi essa abertura as taxas de crescimento avançaram cerca de 50% por ano”, conta.

Estética e emagrecimento a preços populares

Além de oferecer o emagrecimento, Ramuth também incluiu os tratamentos estéticos para flacidez, gordura localizada e celulite. Para o empreendedor, o Emagrecentro conseguiu popularizar os tratamentos estéticos. “Antes, fazer um tratamento desse tipo era um luxo e nós conseguimos encontrar tratamentos estéticos com bom custo benefício. Sem contar que parcelamos em 12 vezes, o que também ajudou”, explica Ramuth. Segundo o empreendedor, mulheres com idades entre 25 e 55 anos, das classes sociais C e D são as principais clientes da rede.

Além dos tratamentos estéticos, a rede conta com um programa de emagrecimento rápido em cinco semanas. Ramuth explica que a base do programa é a dieta cetogênica, que consiste em uma alimentação com poucos carboidratos e que ajuda a queimar gordura. “É um método que tem embasamento científico. Sem contar que ao seguir a dieta corretamente, o corpo produz corpos cetônicos e nós podemos descobrir se o paciente está seguindo o plano alimentar corretamente. Quem seguir corretamente e não emagrecer, nós devolvemos o dinheiro de volta”, explica o médico.

Ramuth se diz satisfeito e feliz por ajudar as pessoas a ficarem mais saudáveis e felizes com o físico e conta que não para de olhar para o mercado em buscas de novidade que possam somar para a rede. “Temos todo um cuidado com a saúde do paciente, se tiver qualquer risco, mesmo que mínimo, a gente não inclui o protocolo —ainda que seja liberado na Anvisa. Se hoje eu continuo no ramo da estética por tanto tempo é porque é gratificante ver que tem gente que pode até retirar medicamentos para hipertensão, por exemplo, só por ter emagrecido”, fala.