Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.590,23
    +1.056,91 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Sem conceder nem 1 ponto, cubano alcança 4º ouro e se iguala a Phelps e Lewis

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após o fim da luta contra o georgiano Iakob Kajaia, o cubano Mijaín López estava tão eufórico que colocou o seu treinador nos ombros e o carregou em volta do tatame, onde minutos antes havia vencido a decisão do wrestling na categoria de 130 kg e conquistado sua quarta medalha de ouro na modalidade.

Nos Jogos de Tóquio, ele não só se isolou como maior campeão do esporte, nesta segunda (2), como também se tornou o quinto atleta a ganhar quatro ouros no mesmo evento individual em Olimpíadas.

Agora, López entra para o seleto grupo em que estão os americanos Al Oerter (disco, 1956-1968), Carl Lewis (salto em distância, 1984-1996) e Michael Phelps (200 m medley individual, 2004-2016), além do finlandês Paul Elvstrom (vela, 1948-1960), quatro vezes campeões olímpicos na mesma modalidade.

Aos 38 anos, o lutador pensava que Tóquio seria sua última Olimpíada. Depois da histórica conquista, porém, ele sonha com a possibilidade de estar nos Jogos de Paris, em 2024, quando terá 41 anos.

"Não quero dizer sim ou não, mas para todos Mijain está vivo", disse. "Tenho que pensar muito bem. Uma derrota para mim seria muito difícil", disse. A trajetória no Japão foi irretocável. Ele venceu suas quatro lutas por 5 a 0, sem conceder nem um ponto aos adversários, inclusive na final.

Antes, havia superado Alin Alexuc-Ciurariu, da Romênia, na estreia, Amin Mirzazadeh, do Irã, na fase de quartas de final, e Riza Kayaalp, da Turquia, na semifinal.

O cubano iniciou a história vitoriosa nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, e repetiu as conquistas nos Jogos de Londres, em 2012 e nos do Rio, em 2016. Com o tetra na modalidade, ele deixou para trás o russo Alexandr Karelin, campeão olímpico em Seul-1988, Barcelona-1992 e Atlanta-1996.

O líder do regime cubano, Miguel Díaz-Canel, elogiou o feito de Mijaín. Nas redes sociais, escreveu: "Quatro medalhas olímpicas de ouro para a sua pátria. Nenhum ponto perdido nos Jogos de Tóquio. Quanta coragem, quanta valentia. Temos grande respeito e admiração por você. Cuba te admira e te abraça".

Mijaín é famoso no país, onde já foi eleito diversas vezes o melhor atleta da ilha. Com 1,98 m, braços e pernas enormes, além de uma força impressionante, descobriu aos 10 anos de idade o fascínio pela luta.

Nascido em 20 de agosto de 1982, em Piñar del Río, desenvolveu ao longo da carreira uma técnica que combina a estatura privilegiada com a natureza competitiva, escrevendo seu nome na história olímpica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos