Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.568,47
    +2.908,68 (+6,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Sem citar Petrobras, Bolsonaro diz que precisa trocar 'peças que não estejam dando certo' e promete mais mudanças

Redação Notícias
·2 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro justificou neste sábado a troca no comando da Petrobras ao afirmar que precisa "trocar peças que não estejam dando certo". Sem mencionar a empresa nominalmente, ele citou a "troca de ontem" e disse que "na semana que vem teremos mais".

"Eu tenho que governar. Trocar as peças que porventura não estejam dando certo. Se a imprensa está preocupada com a troca de ontem, na semana que vem teremos mais. O que não falta para mim é coragem de decidir pensando no bem maior da nossa nação", disse, em cerimônia de entrada de novos alunos da escola preparatória de cadetes do Exército.

Leia também

Na noite de ontem, Bolsonaro anunciou a demissão do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. 

Em um post em redes sociais, o presidente afirmou que o novo chefe da estatal é Joaquim Silva e Luna, diretor-geral da Itaipu Binacional e ex-ministro da Defesa no governo Temer (MDB). A estatal não tinha um presidente militar desde 1988.

Também estavam no evento os ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, além do comandando do exército, Edson Leal Pujol.

Bolsonaro já havia dado reiterados sinais ao longo da semana de que iria interferir no comando da estatal. 

Durante viagem a Sertânia, em Pernambuco, Bolsonaro afirmou que "jamais" vai interferir na estatal, mas reclamou que "o povo não pode ser surpreendido" com os reajustes nos combustíveis e disse que mudanças seriam feitas na Petrobras.

Nesta semana, a Petrobras reajustou os valores da gasolina e do diesel. De acordo com a estatal, o preço médio do litro da gasolina será de R$ 2,48. Uma alta de mais de 10%. No ano, o avanço chega a quase 35%. Esse é o quarto reajuste em 2021. 

O diesel também subiu. O preço do litro nas refinarias será de R$ 2,58. É alta de 15%. Em seu terceiro reajuste anual, o diesel acumula avanço de 27%.

da agência O Globo