Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.275,32
    +150,07 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Sem Biles na disputa, Rebeca faz final na ginástica para cumprir previsão de 1ª treinadora

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO*** Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 17/06/2021; A ginasta brasileira, Rebeca Andrade.  ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***ARQUIVO*** Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 17/06/2021; A ginasta brasileira, Rebeca Andrade. ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quando viu pela primeira vez aquela menina de quase 6 anos ser levada pela tia para fazer teste de ginástica artística no ginásio Bonifácio Cardoso, em Guarulhos, a técnica Mônica dos Anjos acreditou ter em mãos um talento para lapidar.

"Aqui está a futura Daiane dos Santos", afirmou, referindo-se à ginasta que foi a primeira brasileira campeã mundial, em 2003.

A menina possuía características que chamavam a atenção para a idade: força, explosão e coordenação motora. "Ela tinha o biotipo ideal para o esporte. Precisava de flexibilidade, mas isso dá para desenvolver nos treinamentos", analisa a primeira treinadora de Rebeca Andrade.

Dezesseis anos depois daquele encontro, a antiga pupila disputa as finais de três provas da ginástica nas Olimpíadas de Tóquio. A sequência de competições começa na quinta-feira (29), às 7h50, com a decisão do individual geral. Na disputa, ela não terá mais de enfrentar Simone Biles, dos EUA, uma das principais estrelas dos Jogos.

A ginasta brasileira ficou em segundo lugar no qualificatório da prova. Porém, a norte-americana, líder da classificação e favorita ao ouro, desistiu de competir para cuidar de sua saúde mental.

"Nós apoiamos a decisão de Simone e aplaudimos sua bravura em priorizar seu bem-estar. Sua coragem mostra, mais uma vez, porque ela é um exemplo para tantas pessoas", afirmou a federação de ginástica dos Estados Unidos em comunicado.

Biles havia abandonado a competição por equipes na terça-feira (27) após um salto com nota ruim para seus padrões. Do lado de fora do tablado, ela vestiu seu agasalho e passou a apoiar as colegas, que ficaram com a prata (o ouro foi para o Comitê Olímpico Russo). Como teve resultado computado na final, a ginasta somou mais essa medalha no currículo.

Sem a norte-americana, cresce a expectativa sobre Rebeca, que está focada em fazer uma boa competição.

"Eu tive a melhor oportunidade da vida, Deus me deu essa oportunidade e eu soube usar. Essa Olimpíada não está sendo para mim um sonho. Eu coloquei ela como objetivo. Se fosse só um sonho, não estaria aqui hoje ", afirmou a atleta, após se classificar para as finais.

A ginasta busca a redenção na carreira após enfrentar seguidas e dolorosas lesões. Em 2014, uma fratura no dedo do pé a tirou da disputa dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanjing, na China. No ano seguinte, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito e teve que ficar nove meses em recuperação.

Ela participou dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, quando sua melhor colocação foi o oitavo lugar na disputa por equipes. A maior frustração, porém, ocorreu no individual geral. A brasileira ficou em terceiro lugar no qualificatório. No final da prova decisiva, cometeu algumas falhas e não passou da 11ª colocação.

Os tormentos físicos de Rebeca não pararam após 2016. No ano seguinte, torceu o tornozelo direito durante treino e teve que usar bota protetora por dois meses. Pouco depois, em outubro, sofreu nova lesão no ligamento cruzado anterior do joelho direito e ficou fora do Mundial de Montreal, no Canadá. Só voltou a competir em setembro de 2018.

Nove meses depois, Rebeca viu a chance de participar das Olimpíadas de Tóquio ser encerrada. A ginasta teve que passar pela terceira cirurgia no joelho direito após sofrer nova lesão no ligamento cruzado anterior. Não voltaria a tempo de conquistar a vaga olímpica. Mas veio a pandemia do novo coronavírus, a paralisação do mundo esportivo e o adiamento do evento.

Rebeca voltou a treinar em julho de 2020 e agarrou a chance de competir no Japão.

"Teve muito trabalho envolvido. Nesses cinco anos, houve períodos em que tive que ficar parada [pelas lesões]. Depois veio a pandemia. Não estaria aqui sem toda minha equipe multidisciplinar", agradece Rebeca.

A vaga em Tóquio só foi conquistada no mês passado, com a vitória no individual geral no Pan-Americano da modalidade, no Rio de Janeiro.

"Estava no campeonato como árbitra. Quando vi a classificação da Rebeca, minha vontade era de ir abraçá-la, mas não podia", lamenta Mônica, a primeira treinadora, que diz estar ansiosa para as finais da ginástica.

"É um orgulho grande ter feito teste com a Rebeca, ela ser de Guarulhos como eu. É uma medalha muito esperada. Já sonhei com ela competindo e ganhando medalha", completa, certa de que a previsão feita lá atrás, e sem Simone Biles no caminho, poderá enfim se concretizar.

A decisão das medalhas no salto será no domingo (1º), às 5h45. Na segunda-feira (2), no mesmo horário, Rebeca irá se apresentar ao som do hit "Baile de Favela", lembrando sua origem humilde, na final do solo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos