Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.011,80
    +93,52 (+0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,69
    +0,64 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.784,30
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.732,56
    +44,37 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.322,00
    +16,88 (+1,29%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.377,75
    +59,75 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2753
    -0,0644 (-1,02%)
     

Sem alcançar taxa ideal de vacinação, Áustria adota novo lockdown para todos

·3 min de leitura

Com aumento de casos da covid-19 e dificuldades em alcançar o patamar ideal de vacinação, a Áustria adotou um novo lockdown. A partir desta segunda-feira (22), a orientação é que os austríacos trabalhem de casa, se possível, e apenas serviços essenciais continuarão a operar presencialmente no país.

Na última semana, o país chegou a propor um lockdown específico para aqueles que não quiseram se imunizar contra a covid-19. No entanto, as autoridades da Áustria ampliaram a medida para todos, buscando conter novas transmissões do coronavírus SARS-CoV-2. A nova medida gerou manifestações de alguns grupos contrários a imunização no país.

Diante do aumento de casos da covid-19, Áustria adota lockdown e torna vacinação obrigatória (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)
Diante do aumento de casos da covid-19, Áustria adota lockdown e torna vacinação obrigatória (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)

Em paralelo ao lockdown, a Áustria se tornou o primeiro país europeu a tornar a vacinação contra a covid-19 como uma exigência legal. Isso significa que uma lei obrigará que todos sejam imunizados a partir de fevereiro de 2022, só que a obrigatoriedade não se dará através da força física e nem com prisões. Indivíduos que continuarem a recusar a vacinação deverão ser multados. A Alemanha também estuda a adoção de uma medida similar.

Situação da covid é crítica na Europa

Para além da Áustria, as taxas de infecção da covid-19 aumentaram em toda a Europa. No sábado (20), o diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, disse que meio milhão de mortes a mais poderiam ser registradas na próxima primavera no continente, caso as medidas de proteção (vacinas, uso de passaportes sanitários e máscaras) não fossem reforçadas. Inclusive, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontou que esta situação deve ser encarada como um alerta para o Brasil.

A Áustria é um dos países a liderar a adoção de novas medidas contra a covid-19 no continente. Com o novo lockdown, as pessoas poderão sair de casa apenas em casos específicos, como ir para trabalho, praticar exercícios e ir ao mercado e farmácias. Isso porque restaurantes, bares, cabeleireiros, teatros e estabelecimentos não essenciais deverão ser fechados. As escolas e jardins de infância permanecerão abertos para pais que continuarão a trabalhar de forma presencial.

Inicialmente, a medida deverá durar até o dia 12 de dezembro. No entanto, o bloqueio será reavaliado daqui a dez dias, quando alguma flexibilização ocorrer. Em entrevista, o ministro da Saúde, Wolfgang Mueckstein, disse que o governo precisava "reagir agora" e impedir que a nova onda da covid-19 se instale.

Taxa de vacinação contra a covid-19 na Áustria

Na Áustria, cerca de 64% da população está com o esquema vacinal completo, mas porcentagem ainda precisa crescer (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)
Na Áustria, cerca de 64% da população está com o esquema vacinal completo, mas porcentagem ainda precisa crescer (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)

De acordo com a plataforma Our World in Data, a vacinação completa contra a covid-19 abrange 64% dos austríacos, o que equivale a 5,8 milhões de pessoas. Esta é uma das taxas mais baixas da Europa Ocidental e muitas pessoas ainda estão hesitantes no país, dificultando o controle da doença.

No Brasil, o estudo do Instituto Butantan, em Serrana, no interior de São Paulo, apontou para a necessidade de se imunizar pelo menos 75% da população para cortar a transmissão do coronavírus. Na cidade, a vacina CoronaVac foi usada em praticamente toda a população adulta e as mortes em decorrência do coronavírus caíram em 95%. Esse foi um dos primeiros estudos a avaliar a importância massiva da imunização.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos