Mercado abrirá em 16 mins
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,91
    -0,40 (-0,75%)
     
  • OURO

    1.871,40
    +4,90 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    32.552,66
    -949,43 (-2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    646,56
    -54,05 (-7,72%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.745,70
    +5,31 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.347,25
    +53,00 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4219
    +0,0139 (+0,22%)
     

Sem acordo, funcionários dos Correios entram em greve em todo o Brasil

Felipe Ribeiro

O Sindicato dos trabalhadores dos Correios de São Paulo, Grande SP e Sorocaba (Sintect-SP) anunciou nesta terça-feira (10) que os funcionários da estatal entraram em greve em todo o Brasil por tempo indeterminado. A categoria é contra a privatização dos Correios, uma das pautas econômicas do presidente Jair Bolsonaro e do Ministério da Economia. Empresas como Amazon e Alibaba já demonstraram interesse em adquirir a estatal.

A decisão foi tomada após assembleia com cerca de 5 mil trabalhadores e demais líderes sindicais, realizada no clube da CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos). Segundo eles, as reivindicações seriam o reajuste salarial de acordo com a inflação, que está em 3,43%, e a manutenção de benefícios, como ter os pais como dependentes no plano de saúde e coparticipação de 30%, além da continuidade de percentual de férias em 70% e vales-alimentação e refeição.

“Cerca de 80% das agências vão aderir à greve. Foram 36 sindicatos que em conjunto e com decisão unânime decidiram pela paralisação”, afirma Douglas Cristóvão de Melo, diretor de comunicação do Sintect (Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares de São Paulo, Grande São Paulo e zona postal de Sorocaba) e da Findect (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios), em entrevista à Veja. Alguns sindicatos ainda farão assembleias.

De acordo com o Sintect-SP, "a direção dos Correios, a mando do governo, se negou a negociar com os trabalhadores. O próprio Tribunal Superior do Trabalho (TST) denunciou isso". "A intenção do governo e da direção da ECT é acabar com os benefícios da categoria". Segundo o sindicato, em nota, a direção da ECT e o governo querem "reduzir radicalmente os salários e benefícios para privatizar os Correios".

Mas, no entanto, houve sim proposta da empresa. O reajuste salarial oferecido foi de 0,8%, que, no fim das contas, acabou sendo um dos principais pontos reclamados pela categoria, além dos já citados acima.

Em nota, a direção dos Correios informou ter participado de 10 encontros com os representantes dos trabalhadores para apresentar propostas dentro das condições possíveis, "considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões". "O principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população", informou a estatal.

Ainda segundo o Sindicato, no último dia 4 de setembro os Correios rejeitaram uma mediação feita pelo TST com os funcionários. Pela primeira vez uma empresa fechou as portas, de forma unilateral. As negociações seguem nesta quarta-feira (11).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: