Mercado abrirá em 6 h 23 min

Coronavírus: Sem ação do governo, Cracolândia continua cheia, suja e com usuários aglomerados

Até agora a prefeitura de São Paulo não adotou nenhuma medida emergencial para lidar com a população de rua em geral ou os viciados em drogas da Cracolândia de forma mais específica (Yan Boechat/Yahoo Notícias)

Por Yan Boechat

As nuvens de chuva já tinham tomado o céu de São Paulo no início da sexta-feira (20) quando a mulher chegou. Primeiro reclamando de febre, depois dos calafrios. Por fim disse que não estava conseguindo respirar. Minutos antes ela estava embrenhada na massa quase uniforme de pessoas que passam os dias e as noites consumindo crack na região central de São Paulo. Chegou aos profissionais de saúde que dão plantão 24 horas por dia nessa área conhecida como Cracolândia ofegante.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

“Colocamos uma máscara nela e chamamos a ambulância imediatamente para a remoção, é o que estamos fazendo nesses casos”, conta um agente de saúde que atua ali e que, sem autorização do aparato de comunicação estatal, não pode dar seu nome. “Apesar dos sintomas, não sabemos se era Covid, não temos como saber sem testar, mas em casos assim, estamos mandando as pessoas para os hospitais”, conta ele, máscara, luvas e um pote de álcool gel a postos.

Fiscais da prefeitura montam barricadas para impedir que carros acessassem ruas tradicionais do comércio popular (Yan Boechat/Yahoo Notícias)

A poucos metros dele, centenas de usuários de drogas continuavam fumando crack em seus cachimbos. Seguiam lado a lado, caminhando juntos, dormindo no asfalto, comendo em meio a sujeira que toma conta de tudo e de todos por aqui. Desde que a crise do novo coronavírus deixou de ser vista como uma ameaça distante e passou a transformar os hábitos dos brasileiros, e em especial, dos paulistanos, pouca coisa mudou na Cracolândia. O fluxo, como é chamada essa massa uniforme de seres humanos maltrapilhos e permanentemente drogados, segue tão intenso como sempre. Gente comprando, gente vendendo, gente fumando, gente gritando, gente vivendo muito perto uma das outras, compartilhando itens básicos e praticamente confinados em uma área do tamanho de um quarteirão.

Leia também

No Centro Diário de Atendimento, uma unidade da Prefeitura de São Paulo com espaço para banhos, alimentação e acesso a assistentes sociais e por onde passam mais de mil pessoas todos os dias, a rotina seguia seu ritmo de sempre. Volta e meia algum usuário surge com uma máscara, algum outro com uma luva. Mas na imensa maioria dos casos, todos seguem suas vidas como se nada ou nenhum perigo estivesse a rondar. Em uma das mesas de concreto onde um grupo de travestis se reunem, o batom passa de mão em mão, de lábio em lábio. Ao lado, um casal de usuários de meia idade, comparte uma quentinha com o mesmo garfo.

“Não sei como controlar, não sei como fazer eles agirem”, conta uma assistente social que prefere não dizer seu nome com medo de represália da Prefeitura. “Temos a ordem de não falar com a imprensa, conta ela, protegida apenas por uma simples máscara, que de tão fina me deixa ver sua boca quando fala. Ela jura que tem luvas e bastante álcool gel, mas me conta que desde a explosão dos casos em São Paulo não recebeu nenhum item de proteção adicional. “Não adianta, todo mundo vai pegar isso, aqui então, com esse pessoal que já é frágil, não vai ter com impedir a contaminação”, conta ela, quando um dos usuários, um negro alto, forte e visivelmente alterado lhe interrompe, ao berros, reclamando que sua senha para o banho ainda não foi chamada”.

Até agora a prefeitura de São Paulo não adotou nenhuma medida emergencial para lidar com a população de rua em geral ou os viciados em drogas da Cracolândia de forma mais específica. Os profissionais de saúde que trabalham dioturnamente com o usuários de drogas aqui dizem também não terem recebido nenhum material extra de proteção além das luvas, das máscaras e do álcool em gel.

Os guardas-municipais que fazem a segurança dos profissionais que atendem os usuários da Cracolândia e tentam conter os tumultos que volta e meia ocorrem em um ambiente tão deteriorado como esse, contam que só têm a sua disposição as mascaras e as luvas de latex. “Já era para terem implantado ao menos barracas de higienização aqui, era preciso que houvesse distribuição maciça de álcool em gel para esse pessoal, mas até agora é isso, só tem os sabonetes mesmo nos banheiros”, conta um outro assistente social no centro de atendimento da prefeitura. “Do jeito que estamos vendo, com esse pessoal absolutamente fragilizado por tantas outras doenças, como a tuberculose que é endêmica aqui, vai morrer muita gente”, diz ele. “Se ficar a metade, será muito”.

Os bares seguem abertos até que medida de quarentena passe a valer, na próxima terça (24)

A poucos quarteirões dali fiscais da prefeitura montavam barricadas para impedir que carros acessassem ruas tradicionais do comércio popular. As lojas de áreas como o Bom Retiro, vizinho da Cracolândia, e da rua 25 de Março foram fechadas. Os bares, no entanto, seguiam abertos e muita gente seguia circulando pelo centro da cidade. Em uma lanchonete bem próxima da Cracolândia, o gerente decidiu interditar alguns assentos do balcão com sacos de lixo preto. Um cartaz informava que havia fartura de álcool gel para que todos higienizassem as mãos. As medidas de segurança, no entanto, não foram repetidas nas mesas da calçada. Ali a pequena aglomeração seguia como sempre, com todos pertos uns dos outros.