Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.478,38
    +90,12 (+0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Seleto clube de vinhos cobra taxa de adesão de R$ 560 mil

·2 min de leitura
Garrafa de vinho e uvas
Membros do 'The Vines' viajam pelo mundo e desfrutam de benefícios

(Getty Images)

  • Clube de vinhos cobra taxa de adesão de R$ 560 mil e pagamentos de quase R$ 17 mil por trimestre

  • Projeto tem como objetivo levar os membros para conhecer vinícolas exclusivas e renomadas 

  • Para participar, é necessário receber um convite ou ser aprovado via questionário online

Ser apaixonado por vinhos não é o bastante para ingressar no ‘The Vines’, seleto clube que tem como objetivo levar os membros a viagens pelas regiões vinícolas mais exclusivas e renomadas do mundo. Para fazer parte do grupo, também é necessário ter a capacidade de desembolsar quantias extravagantes de adesão e anuidade.

Com taxas iniciais que ultrapassam os R$ 560 mil (US$ 100 mil), o clube de vinhos cobra de R$ 8.400 (US$ 1.500) a R$ 16.900 (US$ 3 mil) por trimestre e só permite novos membros por meio de um convite do proprietário, Michael Evans, ou por seleção via questionário online.

Leia também:

Uma vez no clube, o membro pode visitar as vinícolas mais icônicas do mundo e aprender a cultivar videiras com grandes mestres. Os participantes ainda desfrutam da possibilidade de fazer seus próprios vinhos e criar laços com os vinicultores mais famosos.

Em entrevista à Forbes, Evans disse que, para os membros, a oportunidade é similar a de “aprender a jogar basquete com Michael Jordan”. “Os vinhos que eles criam são únicos em todo o mundo – é apenas um barril (com 25 caixas) daquele vinho específico que eles criaram com a orientação de nossos parceiros mestres enólogos”, explicou.

O projeto surgiu no começo de 2020 e, além de rodarem o mundo fazendo vinho, os participantes também aproveitam benefícios, como o recebimento de caixas com rótulos ao longo do ano e acesso a eventos relacionados a vinhos, comidas, culturas e aventuras.

Quanto mais o ‘The Vines’ cresce, maiores são as ambições. Evans comentou que a ideia é oferecer uma série de experiências únicas, como fazer saquê no Japão e Mezcal no México, e que o projeto tem um apelo especial e poderoso ao aproximar pessoas com as mesmas paixões e interesses. “O The Vines une as pessoas criando momentos inesquecíveis, histórias que amadurecem a cada narrativa e um vinho incrível que honra esses momentos e memórias”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos