Mercado fechará em 1 h 39 min
  • BOVESPA

    110.097,13
    -1.826,80 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.831,39
    -402,98 (-0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,96
    -1,02 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -26,50 (-1,46%)
     
  • BTC-USD

    17.077,32
    +78,67 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,20
    -8,02 (-1,95%)
     
  • S&P500

    4.017,51
    -54,19 (-1,33%)
     
  • DOW JONES

    34.085,14
    -344,74 (-1,00%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.845,00
    -165,25 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5186
    +0,0246 (+0,45%)
     

Seis anos após "bolha" de temperatura nos oceanos, vida marinha segue impactada

O evento de aquecimento do Oceano Pacífico conhecido como “The Blob”, ou “A Bolha", que elevou em 3ºC a temperatura média das águas entre 2014 e 2016 ainda tem impactos visíveis. Estudos mostram que a vida marinha ainda não se recuperou dos efeitos do aquecimento anormal mesmo seis anos após o ocorrido.

Com um apelido que lembra o filme de terror homônimo de 1958, o Blob foi um verdadeiro horror ambiental. Se nas telas a bolha assassina era uma espécie de geleia que devorava as pessoas, no mundo real ela foi uma enorme região do Oceano Pacífico cuja temperatura chegou até os 40ºC. O efeito se prolongou do Alaska até o México.

A vida marinha foi altamente afetada, especialmente a dos animais fixos, como o caso de esponjas e anêmonas. Enquanto espécies naturais deste ambiente sofrem para se recuperar, por outro lado, espécies invasoras têm se proliferado com facilidade.

Exemplo de colônia de briozoários, conhecidos como animais-fungo (Imagem: Peter Southwood/WIkimedia Commons)
Exemplo de colônia de briozoários, conhecidos como animais-fungo (Imagem: Peter Southwood/WIkimedia Commons)

As espécies invasoras são do filo dos briozoários, minúsculos invertebrados aquáticos que se organizam em colônias. Elas puderam prosperar graças a um grande desequilíbrio no sistema causado pela água quente: a temperatura da água limitou a troca de nutrientes entre o fundo e o topo do oceano. Com poucos nutrientes, grande parte do fitoplâncton morreu e, consequentemente, os animais que se alimentam dele também.

As espécies naturais deste local também não lidaram bem com a nova temperatura em termos metabólicos. Sua demanda por energia aumentou, sendo que eles já estavam obtendo pouca pela falta de alimento. Isso facilitou a proliferação dos invasores, que além de se adaptarem bem às condições de temperatura, não possuem predadores no local.

Por mais que o fenômeno tenha atingido principalmente a costa oeste da América do Norte, todo o Oceano Pacífico foi afetado pela Bolha (Imagem: Reprodução/NASA)
Por mais que o fenômeno tenha atingido principalmente a costa oeste da América do Norte, todo o Oceano Pacífico foi afetado pela Bolha (Imagem: Reprodução/NASA)

As mudanças no equilíbrio ecológico do sistema pós-Bolha podem até ter chegado a um ponto irreversível, ou pelo menos ser um efeito que vai levar muito tempo para ser recuperado. A preocupação dos cientistas é que a temperatura do oceano pode passar por novos aumentos até que isso aconteça.

Um dos responsáveis pelo estudo, ecologista marinho Bob Miller, da Universidade de Santa Bárbara, na Califórnia, ressalta a importância de um monitoramento a longo prazo para compreender os impactos de tais eventos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: