Mercado fechará em 5 h 48 min
  • BOVESPA

    106.677,96
    -1.773,24 (-1,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.813,58
    -628,63 (-1,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,49
    -0,66 (-0,80%)
     
  • OURO

    1.660,60
    -9,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    18.980,32
    -118,23 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    433,60
    -12,38 (-2,78%)
     
  • S&P500

    3.629,43
    -89,61 (-2,41%)
     
  • DOW JONES

    29.122,22
    -561,52 (-1,89%)
     
  • FTSE

    6.864,63
    -140,76 (-2,01%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.221,75
    -334,00 (-2,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2662
    +0,0336 (+0,64%)
     

Segurança tradicional já não consegue conter ameaças em crescente adesão à nuvem

·2 min de leitura

A adoção crescente de arquiteturas nativas em nuvem, DevOps e metodologias ágeis tem tornado as técnicas tradicionais insuficientes para a segurança das aplicações. Para 63% dos Chief Information Security Officers (CISOs), o DevOps e o desenvolvimento Agile dificultaram a detecção e o gerenciamento de vulnerabilidades de programas. É o que aponta a pesquisa global da Dynatrace, que ouviu mais de 700 CISOs de empresas no Brasil, nos EUA, no Reino Unido, na França, na Alemanha, na Espanha e no México.

O motivo é o uso de ferramentas de segurança desatualizadas, que podem deixar pontos cegos e levar a atrasos operacionais ao forçar as equipes a fazerem a triagem manual de alertas — muitos deles falsos. Por isso, é importante que, mais do que nunca, as companhias adotem abordagem automatizada, contínua e em tempo real.

De acordo com o levantamento, 74% dos CISOs afirmam que os controles de segurança tradicionais, como scanners de vulnerabilidade, não se adaptam ao mundo nativo da nuvem atual. Além disso, 97% das organizações não têm visibilidade das vulnerabilidades em tempo real e 71% dos executivos admitem que não estão confiantes de que o código está livre de vulnerabilidades antes de entrar em produção.

Imagem: Reprodução/Elements/mstandret
Imagem: Reprodução/Elements/mstandret

Bernd Greifeneder, fundador e diretor de tecnologia da Dynatrace, diz que a pesquisa confirma o esperado: varreduras manuais de vulnerabilidade e avaliações de impacto não acompanham mais o ritmo das mudanças nos ambientes de nuvem dinâmicos e nos ciclos rápidos de inovação. “A avaliação de risco é quase impossível”, aponta. “Equipes já sobrecarregadas são forçadas a escolher entre velocidade e segurança, expondo suas organizações a riscos desnecessários.”

Em média, as organizações reagem a 2.169 novos alertas de vulnerabilidades de segurança de aplicações por mês. Para 77% dos CISOs, a maioria desses avisos não exige ação, já que não são exposições reais.

O volume alto, entretanto, torna difícil priorizar as vulnerabilidades com base no risco e no impacto. Entre os CISOs, 64% afirmam que os desenvolvedores nem sempre têm tempo de resolver as falhas antes que o código entre em produção, enquanto 28% dizem que as equipes às vezes contornam as varreduras de erros para acelerar a entrega do software.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: