Mercado fechará em 11 mins
  • BOVESPA

    111.579,29
    +906,53 (+0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.325,68
    -77,02 (-0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.787,30
    +16,80 (+0,95%)
     
  • BTC-USD

    66.535,31
    +3.044,80 (+4,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.551,44
    +70,63 (+4,77%)
     
  • S&P500

    4.535,30
    +15,67 (+0,35%)
     
  • DOW JONES

    35.611,93
    +154,62 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.369,25
    -29,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4541
    -0,0421 (-0,65%)
     

Segurança de endpoint e dispositivo móvel é prioridade para 59% das empresas

·2 minuto de leitura

Uma pesquisa global realizada com 613 entrevistados em todo o mundo pela Dimensional Research em dezembro de 2020 a pedido da Check Point Software Technologies Ltd, fornecedora de soluções de cibersegurança, indica que a principal prioridade de 59% das empresas é a proteção de endpoints e dispositivos móveis. Isso porque, a partir de agora, 74% das organizações devem optar permanentemente pelo modelo híbrido de trabalho.

Imagem: Reprodução/Freepik/master1305
Imagem: Reprodução/Freepik/master1305

Com isso, diferentes dispositivos serão utilizados para as atividades profissionais das companhias e os pontos de acesso ao ambiente corporativo ficaram mais vulneráveis. Os especialistas da Check Point Software apontam os principais motivos para atualizar a segurança e manter os sistemas de negócios protegidos contra ciberataques. Veja:

Com mais dispositivos, há mais pontos de entrada: 46% das organizações tiveram pelo menos um colaborador que fez download de um aplicativo malicioso em 2020. Essa prática coloca em risco as redes e os dados corporativos. Quanto mais funcionários remotos se conectam de diferentes dispositivos à rede da empresa, mais chances de um criminoso roubar dados, arquivos e outras informações. É preciso, então, ter uma solução que ofereça proteção abrangente e para múltiplos dispositivos.

Dispositivos desatualizados representam mais perigo: com a constante transformação tecnológica, os ataques cibernéticos se desenvolvem quando novas tecnologias são massivamente implementadas ou as já existentes evoluem. Com mais dispositivos na rede, maior a probabilidade de haver aplicativos desatualizados. Por isso, as empresas devem se manter protegidas contra as novas gerações de ciberataques.

Vulnerabilidades isoladas devem ser bloqueadas: basta que um computador não esteja protegido e se torne alvo de um cibercriminoso para comprometer toda a rede corporativa. Proteger os endpoints ajuda, acima de tudo, a limitar a entrada de vulnerabilidades de dispositivos individuais. Se um aparelho sofrer um ataque, o sistema poderá bloquear possíveis vulnerabilidades.

Imagem: Reprodução/Envato/twenty20photos
Imagem: Reprodução/Envato/twenty20photos

Prevenção deve vir antes da ocorrência de fatalidades: ter um único software antivírus significa recorrer a medidas reativas depois da infecção. Idealmente, as empresas devem adotar uma abordagem proativa com detecção, bloqueio e prevenção de ameaças. Como os endpoints estão na vanguarda da defesa dos dados, é fundamental evitar incidentes nesses pontos. Além disso, é essencial treinar e capacitar os funcionários em cibersegurança para que sejam a primeira barreira contra ciberataques.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos